Brasil Debate

Brasil Debate

Brasil Debate

Editorial do site.

 
Editorial do Brasil Debate

Três motivos para votar em Dilma

Os governos Lula e Dilma puseram em prática um modelo de desenvolvimento historicamente inovador que impôs um novo rumo civilizatório para o País, com incontestes avanços sociais. Um rumo que, apesar das dificuldades presentes, precisa continuar sendo seguido

No ar desde a última semana de julho, o Brasil Debate chega às vésperas do primeiro turno da eleição presidencial tendo cumprido a missão a que se propôs. Nestas 12 semanas, além de notas e entrevistas, publicamos mais de 90 artigos inéditos, escritos por cerca de 80 intelectuais e especialistas que se engajaram nesta tarefa, aos quais agradecemos enfaticamente.

Algumas importantes entrevistas e cerca de 90 notas sobre aspectos econômicos e sociais, bem como a edição e produção de gráficos e tabelas, completaram o trabalho. A repercussão e o interesse provocados por estes esforços foram e continuam sendo gratificantes.

O saldo do debate é amplo e não poderia ser reproduzido em poucas páginas. Mas, neste momento importante para democracia brasileira, trazemos uma conclusão simples e direta: na opinião da equipe que criou e coordenou o Brasil Debate, a melhor opção de voto em 05 de outubro é em Dilma Rousseff.

Três grandes motivos justificam esta opção, que vimos a público manifestar.

1º motivo: O Brasil melhorou

Os avanços sociais durante o governo Dilma, em prosseguimento ao período Lula, são incontestes e estão fartamente documentados. Destacamos a redução da desigualdade social e a redução drástica da pobreza como grandes conquistas dos últimos governos, que tiveram apoio na política de valorização do salário mínimo e nas melhorias do mercado de trabalho, com o aumento da formalização aumentou e a redução do desemprego. Também foram importantes os programas de transferência de renda, da Seguridade Social e aqueles voltados ao combate da extrema pobreza.

Essas conquistas não foram obra do acaso, mas fruto de política deliberada e da construção de um modelo de desenvolvimento historicamente inovador em que a questão social tem importância estratégica e a distribuição de renda também funciona como mecanismo que impulsiona o crescimento.

Para além do aumento expressivo mobilidade social, os colaboradores do Brasil Debate também identificaram avanços importantes em diversas áreas como, por exemplo, na saúde, na redução do desmatamento, nas políticas para agricultura familiar, na questão energética, nos direitos trabalhistas, na habitação, no saneamento, e na ampliação e democratização do acesso à  educação em todos os níveis, com destaque para a ensino infantil e  superior.

Este rumo civilizatório, apesar das dificuldades presentes, precisa continuar sendo seguido.

2º motivo: Há riscos de retrocesso

O projeto implementado nos últimos 12 anos causa desconforto em segmentos privilegiados da sociedade, que têm baixa adesão às convicções democráticas e não se conformam com a ascensão e a pretensão das camadas populares de influir nos rumos do país.  Esse desconforto foi canalizado pelas candidaturas de Marina Silva e Aécio Neves, e difundido pela mídia tradicional, que aposta na criação de mitos infundados, na retórica pessimista e na bandeira moralista.

O projeto conservador se apoia, no campo econômico, em uma agenda de reformas neoliberais – explícitas ou implícitas nos programas de Marina e Aécio – que inclui a flexibilização do mercado de trabalho, o fim da regra de ajuste do salário mínimo, o desmonte da previdência social, a redução do papel dos bancos públicos e o encolhimento do Estado.

Clique para contribuir!

O programa de Marina Silva foi além, ao propor uma radicalização da pauta financeira, com propostas como a independência do Banco Central, um conselho externo para a política fiscal e a eliminação do crédito direcionado.

Na política externa, o projeto conservador propõe um realinhamento com os EUA em detrimento da integração sul-americana e da construção da aliança estratégica com os BRICS.

Nesse contexto, os projetos de Marina e Aécio – apoiados pela elite conservadora, pelo setor financeiro e pela imprensa tradicional – se mostram contraditórios com o Estado de Bem-Estar Social previsto pela constituição de 1988, e incompatíveis com as demandas das manifestações de junho de 2013, que reivindicavam mais e melhores serviços públicos.

Resistir a esta agenda é fundamental para evitar que o país retome um padrão de crescimento concentrador de renda e que desmonte o nosso incipiente Estado de Bem-Estar Social.

3º motivo: Dilma é o caminho para avançar mais

Apesar dos progressos recentes, acreditamos que o Brasil precisa assegurar o crescimento econômico, sem o qual dificilmente a desigualdade poderia continuar a ser combatida com eficiência e sustentabilidade.

Isto implicará, por um lado, a ampliação ainda maior dos investimentos na indústria, infraestrutura e inovação, visando à redução dos custos e elevação da produtividade e, por outro, na continuidade dos processos de controle fiscal, controle inflacionário e redução dos juros.

Também – e não menos importante – será necessário dar continuidade às mudanças capazes de tornar o Brasil um país mais justo e igualitário. A redução das desigualdades de renda e riqueza e a busca da universalização da cidadania e da democracia plenas ainda têm um longo caminho pela frente.

Para isso, seria importante que a sociedade pressionasse e o governo buscasse efetivar uma reforma política que melhorasse os mecanismos de representação e reduzisse o poder econômico na política. A continuidade do processo de reconstrução do planejamento e do papel do Estado – um difícil caminho em função do desmonte ocorrido nos anos de 1990 – precisará vir acompanhada de uma gestão do Estado ainda mais eficiente, transparente e democrática.

Mudanças significativas no plano tributário também se fazem necessárias para melhorar a eficiência produtiva e para avançar na redução da desigualdade. Hoje a carga tributária brasileira continua sendo concentradora de renda, enquanto o gasto público distribui.

Outros desafios também devem ser enfrentados, como, por exemplo, a democratização da mídia, a segurança pública, as questões urbana e agrária, os direitos das minorias, o reequilíbrio do pacto federativo e a desmercantilização das políticas sociais.

Acreditamos que a candidatura Dilma é a única com comprometimento e capacidade para enfrentar esses desafios e realizar mudanças.

Clique para contribuir!
Share

16 respostas to “Três motivos para votar em Dilma”

  1. […] Nesse importante e decisivo momento para a democracia brasileira, o Brasil Debate reafirma seu apoio à presidenta Dilma, como já havia feito às vésperas da disputa do 1o turno. […]

  2. […] Nesse importante e decisivo momento para a democracia brasileira, o Brasil Debate reafirma seu apoio à presidenta Dilma, como já havia feito às vésperas da disputa do 1o turno. […]

  3. Freitas Jr disse:

    Ver a elite amaldiçoando os churrasquinhos de gente diferenciada… NÃO TEM PREÇO! Valeu Lula! Valeu Dilma!

    • Carlos Magno disse:

      Freitas Jr. – NÃO TEM PREÇO – concordo com você em todos os seus NÃO TEM PREÇO..
      Agora, a respeito de tudo que foi feito no Brasil nesses 12 anos : foi feito o possível e não o desejável. Apenas para lembrar : TUDO, vou repetir, TUDO que o Governo tentou fazer em benefício dos excluídos só foi feito a fórceps – impressionante a oposição feroz que encontraram.Recordando alguns : Transposição do Rio São Francisco (beneficio : 12 milhões de Nordestinos)- só conseguiu começar em 2007 (no segundo mandato de Lula) após sentença do STF – fizeram o diabo contra – Antonio Carlos Magalhães capitaneou o contra – teve até Bispo que quis se suicidar (greve de fome), protestos de artistas da Globo, trocentos embargos – só começou com a ação de Batalhões de Engenharia do Exército Brasileiro.
      Bolsa Familia – meus Deus que desaforo ajudar vagabundos!, Mais Médicos – Jesus, que absurdo, Médico Cubano? ,…. e tome porrada. TODO E QUALQUER POLÍTICO AFIRMA QUE SÓ A EDUCAÇÃO PODE ALAVANCAR O BRASIL, agora me explica : porque tanta oposição, quase uma guerra para aprovar os recursos do Pré-Sal para a Educação, e por aí vai. Carteira Assinada para Doméstica : pra que? são tão bem tratadas, quase da família…. Tem um pessoal que cai de cacete no Governo e finge esquecer que Nada foi feito de forma tranquila

  4. Freitas Jr disse:

    Ver a elite se escabelar por ter de pagar Salário Mínimo para a empregada doméstica… NÃO TEM PREÇO!

  5. Freitas Jr disse:

    Ver a elite reclamar dos aeroportos cheios de gente de chinelo… NÃO TEM PREÇO!

    • Leonardo disse:

      Realmente não deve ter preço, é uma ignorância acreditar que alguém ainda pense como você, pq a reclamação de todos não são os chinelos usados nos aeroportos e sim as condições em que eles se encontram, os gastos que nos pagamos para estas reformas e sermos tratados como lixos nos aeroportos, pessoas como vc que deveriam estar tristes com a situação, se preocupa em achar que só por usar chinelos, esta sendo descriminado!!LAMENTÁVEL.

  6. Freitas Jr disse:

    Ver a elite bufar de raiva porque as universidades públicas não são mais privilégio de seus mauricinhos… NÃO TEM PREÇO!

  7. Pedro Henrique Duarte disse:

    Eu, como leitor permanente dos textos que são publicados neste sítio virtual, discordo plenamente das posições daquele (ou daqueles) que produziram este editorial. Não consigo entender onde o governo neoliberal de Dilma é inovador – aliás, o simples fato de ser neoliberal faz dele algo não-inovador – e muito menos produtor de um “novo rumo civilizatório” para o Brasil. Basta andar pelas grandes cidades para vermos isso: marginalidade social, falta de acesso à cidade, trabalhadores precarizados. E a realidade não muda no interior ou mesmo no campo – afinal, a reforma agrária retrocedeu no atual governo. Confundir melhorias sociais com um novo marco civilizatório é não apenas falacioso, como soa como uma análise superficial – pra não dizer inocente, ou ideologicamente viesada.

    E tampouco os textos publicados neste site apontam para isso. Das várias coisas que li, vi análises que apontam para os limites e problemas do atual governo. Análises que me fizeram refletir pela necessidade de uma real mudança, que traga avanços sociais sólidos. Os quais, certamente, o governo do PT não produziu, e duvido que venha a produzir.

    Como leitor, considero invasivo esse quase “pedido de voto”. Acho o BD um espaço interessante, com posicionamento crítico, e com extremo potencial para fomentar um debate político, econômico e social de qualidade – motivo pelo qual tenho recomendado a várias pessoas. Mas vejo esse editorial como um tentativa de limitar o leitor; como se o espaço fosse restrito aos pró-governo. Uma pena.

    Atenciosamente.

  8. Hélio Kuramoto disse:

    Prezados senhores,

    Eu tenho motivos para não votar na Dilma, que são os seguintes:

    1) ela não responde às mensagens que posto no Fala Presidenta do portal do Palácio do Planalto;

    2) Não representa à altura o Brasil qdo visita outros países, vide o vexame em Lisboa a pouco tempo à traz, qdo foi fotografada chegando bêbada no hotel. Que vexame. O Palácio do Planalto deveria ter uma norma de conduta para os presidentes.

    3) Não investiu corretamente em Ciência, Tecnologia e Inovação, o que ela fez?

    São esses os principais pontos.

    Atenciosamente.
    Helio Kuramoto

    • Carlos Tramontina disse:

      Quanta besteira e preconceito em dois comentários…

      Não te responde? Ela deve responder às abobrinhas do Sr. Hélio?

      Que foto é está que ninguém conhece?

      Veja os dados da Finep antes de dizer que não investiu em inovação?

  9. Hélio Kuramoto disse:

    Prezados,

    Eu conheço a dupla Lula e Dilma, aliás, uma dúpla de bêbados, veja só o episódio de Lisboa, onde a nossa presidente foi para o hotel embriagada, isso é uma vergonha para um país como o Brasil, um mal exemplo.
    Além disso a presidente Dilma e seu antecessor jamais responderam às mensagens que encaminhei para o palácio do planalto, é isso o que o PT quer manter a sociedade civil distante dos seus governantes?
    Uma outra coisa, durante os dois governos Lula e Dilma eu me candidatei a duas escolhas à direção do IBICT, em ambas eu fui simplesmente desconsidebado, apesar de o comitê de busca ter me colocado em primeiro lugar na lista tríplice. Entretanto, chegou o Deputado ROdrigo Rollemberg com o nome de um outro candidato que nem constou da lista tríplice e o nomeou diretor do IBICT. Vejam a situação caótica que se encontra hoje o IBICT, desapareceu do mapa e com ele a informação científica e tecjnológica brasileira. Não voto na Dilma e nem em qualquer candidato do PT, pois, a experiência com os dois presidentes do PT foi lastimável. Enquanto o mundo todo tem trabalhado em prol do acesso livre à informação científica, o Brasil trilha o caminho contrário beneficiando os editores científicos comerciais, investindo no Portal de Periódicos da Capes e desassistindo as bibliotecas universitárias impedindo-as de manter as coleções das publicações periódicas científicas. Alguém pode esta ganhando com isso ao beneficiar as editoras científicas no referido portal de periódicos da Capes. O pesquisador brasileiro que não é. Aliás, enquanto o Brasil tiver na presidência um representante do PT continuaremos como estamos dependentes dos paises desenvolvidos e a nossa produção científica não aparecerá lá fora.

    Que perda de tempo, foram 12 anos jogados fora.

    Atenciosamente
    Helio Kuramoto

    • Fernando disse:

      Churchil também era um bêbado, e daí Hélio?

      • Carlos Veloso Leitão de Figueiredo disse:

        De fato… bom mesmo foi os governos do Brasil nos períodos compreendidos entre o século XV até o ano de 2002. Claro que excluindo-se a desgraçada era Vargas, Jango e JK.
        Bom mesmo foram as épocas que éramos vassalos, mas vassalos dos europeus e depois dos estadunidenses.
        Hoje temos um monte de povo achando que tem direitos sociais e ousando tomar nossos lugares privilegiados que nos legaram nossas elites colonizadas.
        Nem admirar meu civic 2009 esses classes C, D e E admiram. O que que esse povo rastabunda (tava louco pra usar esse termo) pensam que são.
        Na moral, to pensando seriamente em me mudar pra florida ou pra miami.

    • Frederico Prado disse:

      Grandes revelações do Hélio Kuramoto!!
      Pois bem, quem tem a fama no Brasil de bêbado e usuário de farinha? A ponto de entrar na justiça pra censurar internautas?
      Dilma ou Aécio? Hein, Hélio??

Comentários