Brasil Debate

Brasil Debate

Jorge Armindo Aguiar Varaschin

É bacharel, mestre e doutorando em economia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul

 
Jorge Armindo Aguiar Varaschin

Taxa de câmbio: entre o real e o imaginário

A desvalorização do câmbio das últimas semanas, típica da jogatina especulativa, tomou ares de catástrofe nacional. Os ‘recordes’ diários, as colunas alarmantes dos jornais, as manchetes catastrofistas, pregam o derretimento do real. Será mesmo que o dólar chegou a ‘patamares inimigináveis’?

O discurso de terror novamente se instalou no debate econômico nacional. Tempos atrás, era a inflação seu principal objeto. Nos últimos dias, no entanto, o tom foi mais além: o câmbio, segundo alguns, ultrapassou todos os “recordes” de desvalorização do real frente ao dólar. A crise política conjugada com o ajuste fiscal empurra a economia para baixo, dando novo fôlego àqueles que cultivam cenários pós-apocalípticos ou de fim de mundo. Estão, como sempre, à procura de seus próprios zumbis.

Não é de hoje que esse tipo de discurso vem à tona. Em 2013, o “terror inflacionário”, simbolizado num “colar de tomates” em rede nacional, pregava a volta da inflação em níveis alarmantes, descontrolada, num cenário em que o desejo do “quanto pior, melhor” se confundia com uma suposta neutralidade da grande mídia. A inflação não alcançou os sonhados patamares da nossa direita neocon, mas no imaginário e nas expectativas o estrago já havia sido feito.

Agora, o mesmo debate se instala sobre o câmbio. A desvalorização das últimas semanas, típica da jogatina especulativa, tomou ares de catástrofe nacional. Os “recordes” diários, as colunas alarmantes dos jornais da grande mídia, as manchetes catastrofistas, pregavam o derretimento do real.

Escondiam, porém, do grande público, atrás de frases de efeito e matérias simplistas, que a questão é um pouco mais complexa do que exposto: apesar da forte desvalorização em termos nominais dos últimos meses, em termos reais, a taxa efetiva está longe de quebrar qualquer tipo de recorde.

Assim como qualquer outra mercadoria, o dólar possui seu preço medido em reais, o que comumente é chamado de taxa de câmbio. No entanto, seu valor nominal difere substancialmente de sua taxa efetiva, de sua capacidade de poder de compra. Para esta, importam, além do valor nominal, o nível geral de preços aqui e nos Estados Unidos.

Em outras palavras, a taxa real de câmbio, efetiva, exige que se deflacione os níveis de preços tanto do Brasil quanto dos EUA. E, nesse ponto, aparecem algumas surpresas desagradáveis para aqueles em busca de novos recordes para a moeda brasileira.

Longe de supostos “patamares inimagináveis”, o que se vê, apesar das variações nominais, é que, em termos reais, o atual período nem de perto apresenta picos como já registrados em outros momentos da história brasileira no pós-Plano Real. Um exemplo: em outubro de 2002, após a desvalorização relacionada ao chamado na época de “risco Lula”, o dólar nominalmente valia algo em torno R$ 4,00.

Considerando a inflação brasileira medida pelo IPCA e o nível geral de preços nos EUA pelo índice CPI, a taxa real do dólar, em termos nominais, equivaleria a um valor atual de aproximadamente R$ 7,00, ou seja, uma taxa bem maior do que os R$ 4,00 verificados nos últimos dias.

O debate como exposto leva a população a crer que um câmbio nominal na casa dos R$ 4,00 em 2002, em termos econômicos, equivale ao mesmo valor 13 anos depois. Por trás disso, apenas ingenuidade ou má-fé. Variações nominais são fontes importantes de informação na análise econômica, mas pouco contribuem para a compreensão da dinâmica da economia nacional.

Da maneira como esses dados são tratados e manipulados, hoje mais facilitam a desinformação e um jogo político tacanho do que a construção de um verdadeiro debate sobre a temática cambial.

Dessa forma, a questão, apesar de aparecer como um debate econômico, é política: um cenário de desastre, vinculando à desvalorização nominal do real a própria crise de projeto do atual governo, agrava o já combalido ambiente político, econômico e institucional.

Clique para contribuir!

A gestão do poder de compra da moeda associa-se estreitamente à própria governabilidade, o que expõe as fraturas e desgasta ainda mais o segundo mandato da presidenta Dilma. Fora isso, nesse jogo de roleta que muito lembra um cassino, alguns ganham – e muitos perdem – com tal cenário.

Cabe lembrar ainda que, apesar do discurso monotemático de alguns sobre a pressão inflacionária, a desvalorização eleva a competitividade das nossas exportações, além de encarecer os importados, o que cria um cenário favorável à indústria nacional.

Historicamente, a desvalorização cambial foi cerne do processo de industrialização do país e elemento importante na reversão estrutural de nossas transações correntes, com tendência a déficits em conjunturas de aumento da renda nacional. Apesar das mudanças na economia brasileira nos últimos anos, a questão cambial se mantém central em nosso debate econômico.

Além disso, a variação do dólar tem-se demonstrado como um fenômeno global, atingindo, principalmente e com maior força, países exportadores de commodities, como é o caso do Brasil.

O prolongamento da crise mundial, com crescimento abaixo do previsto da economia norte-americana, a estagnação europeia e a desaceleração chinesa, impactando negativamente nos preços das commodities, aumentam o clima de incerteza quanto ao futuro da economia mundial. Esse quadro, somado à expectativa de elevação das taxas de juros por parte do FED, faz com que ocorram alterações no preço do dólar em moedas locais em praticamente todos os países do mundo.

Nesse contexto, é necessário desmitificar uma discussão marcada por informações rasas e desencontradas. O dólar, efetivamente, não apresenta valores que justifiquem a “gritaria” dos últimos dias. Entretanto, como afirmado anteriormente, se olharmos um pouco mais além de onde as variáveis nos levam, surgem nitidamente o movimento de forças políticas que, ao pregar o derretimento do real, querem atingir o atual governo.

É possível que esse movimento e as apostas contra o real e a autoridade monetária se mantenham, pelo menos até a resolução da crise política instalada. Até lá, esse pseudo debate e a superficialidade com que dados são apresentados devem nos manter vigilantes, prontos para a construção do contraponto e a elucidação do que verdadeiramente há para além da manipulação das variáveis econômicas.

 

 

 

Clique para contribuir!
Share

3 respostas to “Taxa de câmbio: entre o real e o imaginário”

  1. Ruy Mauricio de Lima e Silva Neto disse:

    Excelente exposição que, como tantas outras veiculadas por este e por outros abnegados e bem-informados canais “internéticos”, merecia ampla divulgação e até um certo esforço de vulgarização, de maneira que pudesse chegar até às pessoas mais simples, desprovidas de maiores conhecimentos na área da Ciência Econômica (ou seja, de mesmo patamar de uma Miriam Leitoa, Carlos Sardenberg, etc).Apenas uma correção: ao abordar o “terror inflacionário” de 2013, o analista faz referência ao que seria “uma suposta neutralidade da grande mídia”. Perdoe-me o autor mas há muitos anos que eu não vejo nenhuma “neutralidade” na nossa mídia em assuntos desta natureza. Pelo contrário, o que se observa é uma militância aguerrida e muitas vezes beirando a hidrofobia em louvor a um monetarismo e a um “chicagoismo” o mais explícito. Algo que vem nos infelicitando desde os idos de Juscelino com os seus históricos consultores do tipo Roberto Campos, Otávio Gouveia de Bulhões e Gustavo Corção, entre outras notabilidades. Quosque tandem?

  2. Daniel disse:

    Quer dizer que não existe inflação nos EUA? E quer dizer que a inflação Brasileira é uma coisa normal, boa?

  3. Arthur disse:

    Ótimas colocações Jorge, desmistificando os usos retóricos das taxas de câmbio.
    Noto porém que você usou “taxa efetiva” em algumas passagens do texto como sinônimo de “taxa real”. Estaria tudo bem se o termo “efetiva” como usamos em português corrente não tivesse um uso muito particular no vocabulário econômico. Taxa de câmbio efetiva é aquela que compara uma moeda com uma cesta de moedas. Neste sentido pode-se diferenciar “taxa de câmbio efetiva” e “taxa de câmbio efetiva real”, como aquelas que comparam uma moeda de referência com uma cesta de moedas e levam ou não em consideração o diferencial inflacionário.
    De todo modo um ótimo texto. Um abraço!

Comentários