Brasil Debate

Brasil Debate

Luís Fernando Vitagliano

É cientista político e professor universitário. É colunista do Brasil Debate

 
Luís Fernando Vitagliano

Quem dará o golpe no Brasil?

O PMDB não ter todos os votos necessários para o impeachment é a única coisa que afasta Dilma da porta da rua do palácio do Planalto

Cada vez mais os cenários vão se estreitando e a possibilidade de impeachment se torna mais factível. A popularidade da presidenta, as manifestações de rua, os processos jurídicos. E a pergunta: “Dilma governa os quatro anos?” fica cada vez menos complicada ser respondida.

Antes era apenas uma ideia ou uma estratégia da oposição derrotada, depois se tornou uma possibilidade política e agora estamos no terreno das probabilidades dentro das estruturas do Congresso. E entre o ódio dos setores sociais que foram derrotados e os cálculos dos votos no Congresso já é possível fazer conjecturas mais claras.

Vamos começar pela pergunta. Porque a pergunta está errada diante da conjuntura. Não é correto perguntar se vai ter golpe, impeachment ou renúncia. A crise é poderosa e os megafones que a disseminam e a avolumam estão todos ligados. A pergunta correta neste cenário é: por que ainda não ocorreu a queda de Dilma Rousseff?

Faltam escândalos? Falta apoio da grande mídia? Falta apoio popular? Falta costura com setores da elite econômica? Falta apoio internacional? Para todas essas perguntas a resposta é: nada disso importa. O desgaste do governo é tamanho que golpistas já passaram dessa fase.

Nem a tão aclamada base jurídica vai importar daqui a algum tempo. Antes, a estratégia era encontrar um fato que comprometesse a presidenta nos esquemas, mas talvez tenham sido surpreendidos com a ausência (ou tamanha dificuldade) para encontrar esse fato.

Então, se o golpe ainda não vingou, por que a oposição não aceita logo os resultados das urnas? Porque com essa base política fragmentada não há condições de governo sendo constituídas. Até o momento fracassaram os subterfúgios políticos que pudessem calar a base social do governo e dar uma roupagem legalista ao golpe. Mas, o risco de impeachment também não diminui, porque com o sucesso do contexto criado, só falta uma coisa para destituir Dilma da presidência: votos no Congresso.

E com toda a mobilização de um ano para destituir Dilma é cada vez menos improvável conseguir a posição do número suficiente de parlamentares para o impeachment. Hoje Eduardo Cunha e Renan Calheiros contam os votos. E ainda não tem golpe porque não há 2/3 dos congressistas em apoio à votação do impeachment.

Cunha deu sinais de que não controla a casa completamente em pelo menos três ensaios oficiais para a festa: votação da terceirização, votação da redução da maioridade penal e do financiamento privado de campanha (para os dois últimos casos precisou de manobras para conquistar maioria qualificada).

A base aliada domina ainda cerca de 200 votos, o que lhe dá garantias de sustentação (precisa de 158 votos para se sustentar contra um processo de impeachment). Essa base de Dilma já foi maior, em meados de 2014 era de cerca de 260. Antes das manifestações de junho de 2013, cerca de 320. As manifestações pesaram, mas, principalmente, as eleições constituíram desequilíbrios negativos ao governo, que ao longo do ano se acirraram.

Agora a pergunta fácil de responder é: até quando os governos mantêm seus 158 parlamentares fiéis ao mandato e à democracia?

A resposta para o prazo do governo está aos olhos de todos: março. Quando ocorrerá a convenção nacional do PMDB. Ali, alguns dissidentes vão ser forçados a seguir a orientação do partido em abandonar a base de apoio ao governo. Isso permitirá aos líderes cobrarem fidelidade partidária aos que ainda votariam contra o impeachment.

A própria base do PMDB ainda apresenta alguns apoios ao governo. Metade dos 70 deputados votam com o governo. É um número grande o suficiente para evitar o impeachment e mostra que a soma de Renan e Cunha não controla todo o partido.

Talvez não por convicção os meio legalistas meio dissidentes estejam com o governo, mas pesam também os cargos, os ministérios, as corregedorias etc. Mas, quando esses forem obrigados a entregar seus ministérios e cargos e forçados a votar com o partido que vai sair da base do governo, acabou a festa.

Isso também serve a outros partidos, como é o caso do PDT. Com o número próximo dos 342 deputados e 54 senadores, os presidentes das casas (não por acaso, dois peemedebistas) podem abrir processo de cassação e aprovar o impeachment.

Clique para contribuir!

O PMDB não ter todos os votos necessários para o afastamento é a única coisa que separa Dilma da porta da rua do palácio do Planalto.

Mas, como chegamos a essa situação? E, pior, como o governo cada vez mais corrói sua base de sustentação política?

A resposta a essa pergunta é mais complexa e passa por pelo menos dois matizes de entendimento: primeiro, há erros e dificuldades do próprio governo; segundo, as articulações da oposição aproveitam-se das fragilidades de nossa democracia.

A base de apoio de Dilma está nos movimentos ligados à esquerda política. Movimentos sociais, sindicais, direitos civis etc. Essa base tem expressão popular maior do que sua expressão política. No Congresso, a relação dessa base foi sempre muito difícil porque não se compõe com setores progressistas, mas com setores liberais e/ou muitas vezes com setores conservadores.

Durante os últimos 12 anos, foram frequentes os curtos-circuitos entre a base político partidária do governo (PT, PCdoB, CUT, MST, MTST, movimentos sociais etc.) e a base política muitas vezes composta por partidos ligados aos movimentos de esquerda e com base social e setores reacionários como PSC, PP, PTB, além de setores do próprio PMDB. De qualquer modo, foi essa composição que garantiu a negociação da base política dos governos petistas.

Os motivos pelos quais essa base ruiu podem ter diversas origens. Mas, a maior parte dos motivos que corroeram a base vem dos erros ou decisões do próprio governo. Neste caso, devemos eximir a oposição de culpa.

A distribuição de cargos e ministérios, o enfrentamento de setores econômicos, os baixos índices de popularidade, a dificuldade de comunicação interna e externa são os principais pontos que afastam parlamentares. Também é possível discutir se todas as decisões poderiam ser evitadas ou se deveriam ser revistas, mas o fato é que mais de 150 deputados mudarem de lado não acontece por acaso e nem do dia para a noite.

De outro lado, alguns analistas vão dizer que isso é parte do sistema político brasileiro corroído, que constrói sua base política na base das coalizões frágeis e fisiológicas. Isso é fato. Mas, é fato estudado, visto, revisto e provado dos últimos 30 anos e não pode ser tratado como surpresa para um governo que está há 12 anos poder.

Além disso, o que tirou Dilma da governabilidade é também hoje a única explicação para que, diante de tanta crise, ela se mantenha presidenta.

Estamos no entrepasso da crise. O governo não consegue compor maioria e a oposição é incapaz de arregimentar sua votação do impeachment. Mas, aí é que entra a previsibilidade. Na atual conjuntura, é mais provável que a oposição consiga arrebanhar os votos que lhe faltam do que o governo conseguir reverter o jogo.

Mais uma vez, as causas disso são profundas e às vezes incompreensíveis, porque o governo tem a faca (o orçamento) e o queijo (os cargos) na mão; mesmo assim, perde como se fosse um apanhado de amadores num jogo de profissionais.

Está cientificamente comprovado que (se mantidas as atuais condições das forças políticas, seus movimentos e suas alianças), o golpe é certo e é uma questão de tempo até o PMDB ter os votos necessários para o impeachment.

 

Clique para contribuir!
Share

7 respostas to “Quem dará o golpe no Brasil?”

  1. Antonio Elias Sobrinho disse:

    Estamos vivendo uma conjuntura em que qualquer coisa é possível. Assim, cada um de nós podemos pegar qualquer trilha e argumentar. Nada disso é profecia e nem absurdo, simplesmente o autor pegou várias possibilidades e, de olhos fechados, cravou numa, assim como eu posso fazer o mesmo com outro argumento.
    Nada do que se diga, sobre o atual estado de coisas é definitivo e nem científico. Eu, particularmente, acho que a grande dificuldade não se encontra no caminho para destituir o governo formalmente, porque concretamente ele é apenas uma sombra.A questão mais complicada encontra-se no que pode vir depois. A incerteza sobre esse ponto é o que provoca a paralisia.
    Ora, se esse país é, majoritariamente conservador e cauteloso, e se as coisas fundamentais, ligadas à economia não apresentam sinais sérios que possam prejudicar os principais grupos dominantes, como alterar o quadro? Assim, é melhor ir levando o jogo em banho maria, de forma a mais recuada possível e aguardar o apito final.

  2. Ruy Mauricio de Lima e Silva Neto disse:

    Tão revoltante quanto a idéia, mais que isso, a obsessão patológica de assumir o poder que não conseguem desde 2002, e daí esta verdadeira agitação, este verdadeiro terrorismo que fazem desde esta maravilhosa Operação Lava-Bosta, é gente pensante e inteligente vir a público dar como favas contadas a queda de uma presidente constitucional, num gesto de repulsivo derrotismo e negativismo, alinhando uma série de racionalizações que, mesmo que muitas vezes procedentes e fundadas, só servem num momento destes para encher a bola dos golpistas e dos entreguistas. Vai cair porra nenhuma, pelo menos por enquanto, na hipótese do imobilismo e a pasmaceira dos legalistas tiver fim e dar lugar a uma vigorosa reação da opinião pública até o momento pessimamente representada por pesquisas de institutos de opinião notoriamente suspeitos e sustentados pelos veículos hegemônicos de comunicação.É absolutamente urgente que o País acorde para o pavoroso futuro que os “sofisticados” e medíocres de São Paulo estão desenhando para ele e sempre arvorando-se em intérpretes da maioria do povo.

  3. Ivan Pedro disse:

    Tenho um enorme ceticismo quanto a profetas; pois bem, vejam só isso:

    “Nem a tão aclamada base jurídica vai importar daqui a algum tempo. Antes, a estratégia era encontrar um fato que comprometesse a presidenta nos esquemas, mas talvez tenham sido surpreendidos com a ausência (ou tamanha dificuldade) para encontrar esse fato.”

    Como é qua alguém consegue fazer este tipo de afirmação em um momento tão instável? Que muda como nuvens ? Onde já se viu …

    Tem esta outra, de uma pretensão sublime:

    “Está cientificamente comprovado que (se mantidas as atuais condições das forças políticas, seus movimentos e suas alianças), o golpe é certo e é uma questão de tempo até o PMDB ter os votos necessários para o impeachment.”

    Cientificamente comprovado como, cara pálida ? O ambiente é instável, não permite previsões porque o futuro é opaco; além disso, nem a oposição sabe o que faria se houvesse impeachment (com ou sem eleições); a única coisa sobre a qual se pode especular é: a instabilidade política continuaria. Ponto. O resto é uma divagação total.

  4. paula disse:

    é uma pena que tratem o Brasil apenas como se fosse apenas uma mercadoria de troca, que apenas pensam no poder. Teve erros , sim , tem erros ? sim, mais o que se ve são políticos ávidos por cargos. Exemplo essa operação lava-jato, que a mídia usou para ajudar a piorar o quadro do Brasil, corrupção não esta só na Petrobras, acho que se investigarem vão ver que existe nos municipios e nos estados e muita e isto a anos e anos, o dinheiro corrompe , principalmente se nunca foi investigado nada, agora fazem um circo, ora , que se investigue, que se tire de circulação quem se apropria de dinheiro que é do povo, mais precisa tanto alarde? O que parece é que todo esse alarde é pra que não vejam certos nomes que podem encerrar a carreira se a investigação os atingir, porque se queremos derrubar a corrupção no meio público temos que querer que tudo seja investigao. Queremos uma patria limpa não é? Agora saber que um partido quer derrubar um governo que fez em 12 anos o que muitos não fizeram em 20, pelo menos para a classe menos favorecida chega a ser irresponsavel. Crise esta no mundo inteiro, e aqui não vivemos isolado, temos uma economia que depende do resto do mundo,apesar do tamanho do nosso país. Se tivessem mesmo amor ao país como deveriam era a hora de mostrar trabalho, para que na proxima eleição tivessem o que mostrar pra de repente eleger alguem de outro partido e não o PT, esse negócio de tirar um governo que trabalha porque não aceitaram a derrota nas urnas, é muito infantil pro meu gosto, e isto pode custar muito caro pra todos nós.

  5. […] Sourced through Scoop.it from: brasildebate.com.br […]

  6. Bruno letra disse:

    Vita, tudo bem professor…? Achei bem interessante sua análise, mas me pareceu que pouca é a culpa do governo nessa situação.. Não sou a favor de impeachment acho q o pt tem q ir até o fim e cumprir o processo democrático, mas tenho visto muitas análises buscando desqualificar a oposição e isentando o situação que além de ser fraco na movimentação política ainda erra( ou errou ) muita na economia.. E por isso sofre as consequências.. A mídia .. Cada um tem sua tendência.. O inteligente busca as duas e forma sua opinião, mas acho normal termos a JP incitado (infelizmente) contra o governo e ter a CC não mostrando fatos reais de uma economia em decomposição… Do mais.. Sem bom ler seus textos.. Abs

Comentários