Relacionado
" />

Brasil Debate

Brasil Debate

 
PIB per capita

Qual Brasil está crescendo mais?

É conhecido o fato de que a renda per capita do Brasil tem crescido na última década. Segundo cálculos do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada), o PIB per capita médio anual subiu de R$ 18.810,00 em 2000 para R$24.370,00 em 2012, a preços constantes de 2013.

São também conhecidas as disparidades regionais brasileiras: o Nordeste e o Norte são as regiões mais pobres do Brasil. Em 2010, as duas regiões representavam 18,8% do PIB, mesmo concentrando 36,1% da população brasileira. Esta é a dimensão regional da desigualdade de renda no País.

Portanto, para que o Brasil se torne um país mais igualitário em termos regionais, é necessário que as regiões mais pobres cresçam mais rapidamente que as regiões mais ricas.

Segundo o gráfico abaixo, isso vem de fato acontecendo. O PIB per capita do Norte e Nordeste cresceram, respectivamente, 0,6 e 0,5 pontos percentuais a mais em relação à média da economia brasileira.

O processo de distribuição de renda e os investimentos realizados nas duas regiões estão surtindo efeito para catalisar a convergência dos PIBs per capita regionais. Isso fica evidente, por exemplo, quando consideramos que as regiões Norte e Nordeste são as maiores beneficiárias dos programas sociais.

No entanto, esse processo ainda pode ser aprofundado, visto que as disparidades ainda são enormes, mesmo dentro dos estados de uma mesma região.
Cabe discutir como avançar nesse processo de forma sustentada. Afinal, seria possível reduzir a desigualdade de renda entre as pessoas sem resolver as desigualdades regionais?

grafico cresc PIB per capita

Clique para contribuir!

3 respostas to “Qual Brasil está crescendo mais?”

  1. […] Marcos tem razão: crescimento do Norte e do Nordeste puxam o do Brasil. Gráfico do Brasil Debate […]

  2. Correia disse:

    Seria interessante detalhar os efeitos do crescimento da região Nordeste, principalmente, sobre os movimentos migratórios. Parece estar havendo um refluxo no secular deslocamento de nordestinos para outras regiões.

    Se é assim, não entendo a resistência dos paulistas a programas sociais que beneficiam as camadas mais carentes. Até por egoísmo os paulistas deveriam apoiar medidas que desafoguem a metrópole.

  3. Aton Fon disse:

    André Singer deslindou o problema da adesão eleitoral dos mais pobres – “o subproletariado”, para ele, “os excluídos” para os setores religiosos, “a base da pirâmide social” para Márcio Pochmann – ao lulismo.

    Isso, porém, não permitiu entender, até agora, essa regionalização do voto: por que os partidos e candidatos mais conservadores têm mais apelo para o eleitorado do Sul e Sudeste. Talvez essa aproximação ajude a compreender alguma coisa. As pessoas dessas regiões podem não ter consciência dos dados numéricos/estatísticos, mas podem estar reagindo a um fato que de algum modo percebem nas suas existências.

Comentários