Brasil Debate

Brasil Debate

 
Financiamento do BNDES

Porto de Cuba para além dos ataques ideológicos

O financiamento concedido pelo BNDES para a construção de um porto em Cuba gerou uma série de ataques ideológicos e políticos pelos oposicionistas, ataques estes que carecem de argumentos econômicos.

Apesar do burburinho, as críticas não passam pelo crivo de uma análise mais apurada. É o que mostra a entrevista de Thomaz Zanotto, diretor da Fiesp, a Heródoto Barbeiro, da Record News, na qual levanta-se uma série de argumentos de cunho estratégico e econômico que corroboram a decisão do BNDES de financiar o porto cubano. Aí vão eles:

• Cuba está se abrindo paulatinamente e já adota estratégia semelhante à chinesa, de adotar zonas de processamento de exportação;

• O porto foi financiado pelo BNDES utilizando a linha de exportação de bens e serviços de empresas brasileiras, que também é objetivo do banco de desenvolvimento. 80% dos insumos e máquinas utilizados nessa obra são brasileiros, o que alimenta a cadeia produtiva local;

• A operação envolvida é de financiamento, isto é, o dinheiro voltará para os cofres do BNDES. O pagamento está garantido com as próprias receitas geradas pelo porto, operado pela autoridade portuária de Cingapura, que é das mais eficientes gestoras de portos do mundo;

Clique para contribuir!

• Existem 300 empresas brasileiras em Cuba. O porto melhora sua posição competitiva no Caribe, região na qual o Brasil ainda tem pouca presença.

Como está claro, as vantagens estratégicas desse projeto são significativas, e vão desde o incentivo à produção interna até a adoção de uma política externa mais ampla do que a mera política comercial.

O interesse brasileiro na adoção de uma estratégia de inserção internacional caracterizada pela atenção às oportunidades oferecidas na América Latina e Caribe justificam por si só o investimento, o que não é reconhecido nas críticas ideológicas, dignas do ultrapassado contexto de Guerra Fria.

Veja o vídeo abaixo:

Clique para contribuir!
Share

7 respostas to “Porto de Cuba para além dos ataques ideológicos”

  1. Aluísio Studart disse:

    Luís Fernando, se você tivesse prestado atenção (se é que viu o vídeo) teria vista no final a explicação pra isso. Aposto que vc é anti-petista. Veja o vídeo integralmente e vai o quão improdutivo foi o seu questionamento…

  2. Luís Fernando disse:

    Tudo bem! mas pro que não financiar mais portos no BRASIL? Quando os nosso estão carecendo de melhoria na infraestrutura. Os empregos gerados com a melhoria / construção não geraria mais empregos nos BRASIL, aumentando a nossa navegação de cabotagem facilitando a nossa exportação e possibilitando um maior incentivo em nossa indústria de manufatura. Por que financiar algo tão grande fora de nossas fronteiras quando o nosso quintal está jogado as traças.

  3. André disse:

    Acho importante também esclarecer que os empréstimos desta natureza são feitos com garantias, normalmente carta de crédito emitida por Bancos de 1ª linha. E este não foi o primeiro empréstimo desta natureza que o BNDES faz. Só pra exemplificar, ocorreram muitos financiamentos para empresas de engenharia brasileiras que atuam na África (Angola, Mauritânia, etc).

    Realmente é importante desvincular a relevância estratégica da paranoia ideológica.

  4. Jonas Moreira disse:

    Rogério,
    O financiamento não foi feito ao governo cubano, mas para empresas brasileiras interessadas no mercado do hemisfério norte. São empresas grandes, crescentemente internacionalizadas e que vão pagar estes recursos como sempre o fazem.
    Parabéns ao BNDES e ao Brasil pelo apoio as empresas brasileiras e a sua internacionalização!

  5. Rogério C Guimarães disse:

    Seguramente essa turma não irá devolver esses recursos.
    Nossa saúde padece, nossas escolas padecem por interesse dessa gestão idiota que já está passando da hora de largar o osso.
    Esse comunismo de escravos não interessa ao povo brasileiro. Estão ultrapassados.

    • Marco disse:

      Parece que continua não entendo nada. Veja o vídeo novamente.

    • marilia canabrava disse:

      O sr. Rogério C. Guimarães parece desconhecer ou se recusa a aceitar as regras que embasam o negócio do BNDS com Cuba. Não há absolutamente nada de errado e os ataques contra a transação têm como alvo o eleitor também desinformado sobre o o panorama político internacionais e sobre tudo o que se refere o Governo DILMA. A verdade em nós deve ser isenta de paixões de qualquer tipo e muito mais quando se trata dos destinos do nosso País. Por que é que qualquer país não teria o direito de escolher o seu sistema de governo? Veja que os EUA e sua CIA também não aceitam nossa Soberania e busca, vez e outra, nos impor uma ditadura ou interferir em tudo o que que acontece de bom aqui. Da mesma forma ele faz isso com CUBA e os que ignoram a História do mundo ficam repetindo a VEJAS e as GLOBOS da vida.

Comentários