Estudo do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Econômicos (Dieese) mostra o perfil dos docentes da educação básica municipal e estadual, de 2002 a 2013.
" />

Brasil Debate

Brasil Debate

 
Educação

Perfil dos docentes do ensino básico no Brasil

Estudo do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Econômicos (Dieese) mostra o perfil dos docentes da educação básica municipal e estadual, de 2002 a 2013.

Segundo o estudo, houve nesse período:

– Aumento de 2,5 milhões para 3,3 milhões no número de professores na educação básica, com maior velocidade de 2006 a 2013. Tal aumento coincide com a implementação do Fundo da Educação Básica (Fundeb), que estendeu o financiamento para a educação básica.

– Municipalização do ensino na última década, pois enquanto o número de professores na rede estadual cresceu em 8,1%, na rede municipal, o aumento foi de 60,3%. A porcentagem de professores na rede privada caiu de 26,1% para 24,9% do total.

tabela1 docentes

– Em 2002, os professores não negros eram 62,06% do total, enquanto os negros representavam quase 38%. Em 2013, a participação passou a ser mais equilibrada, com 44,85% dos professores negros e 55,15% não negros.

tabela2 docentes

–  Apesar do crescimento da participação masculina, a profissão ainda é majoritariamente feminina: em 2013 era composta por 83,1% de mulheres (contra, no entanto, 86,1% em 2002).

tabela3 docentes

– Alteração no perfil etário do docente, com queda expressiva do contingente que ingressava com até 25 anos e aumento da permanência do professor na carreira. Provavelmente, o aumento da idade média para ingresso ocorreu devido à exigência, pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), de que os professores se formem em nível superior. Houve redução dos professores com escolaridade até o ensino médio e crescimento no número de professores com ensino superior completo. Mas o número de professores sem formação superior completa ainda é representativo.

tabela4 docentes

–  Mais de 20% dos professores não são contemplados pelos planos de carreira por vínculo temporário. Portanto, se por um lado há um esforço para formação dos docentes, por outro, há precarização do vínculo de trabalho.

tabela5 docentes

– Elevação da jornada média e aumento da remuneração média dos professores estaduais e municipais no trabalho principal. O crescimento real da remuneração média acima de 39% ocorreu em quatro regiões do País, aumentando mais nas regiões com menores salários, medida bastante positiva. No entanto, o aumento não foi suficiente para equiparar o rendimento do professor ao dos demais profissionais com ensino superior. Nos municípios os salários médios são os mais baixos.

tabela 6 e 7 docentes

Assim, apesar das significativas melhorias dos últimos anos, é necessário avançar na melhoria do rendimento dos professores em relação às outras profissões de nível superior e a diminuição da precarização dos vínculos de trabalho.

Continua importante a mobilização da categoria dos professores mas também de toda a sociedade para a contínua melhoria da educação no País, lutando por uma educação pública e de qualidade.

Clique para contribuir!

3 respostas to “Perfil dos docentes do ensino básico no Brasil”

  1. Lia de Souza disse:

    Existe ‘raça’ humana? Onde estão os estudos científicos que provam tal conceito? Humanos são espécie e não raça! Pelo jeito, professores de Biologia são os mais despreparados.

  2. Osmar de Sá Ponte Jr disse:

    As Universidades precisão perceber que ela tem um papel fundamental
    No aperfeiçoamento, na melhoria permanente da qualidade .
    Nós das universidades somos fundamentais neste desafio nacional.

  3. […] Portanto, se por um lado há um esforço para formação dos docentes, por outro, continua a precarização do vínculo de trabalho. (Carta Campinas com informações do Brasil Debate e Dieese) […]

Comentários