Brasil Debate

Brasil Debate

Reginaldo Moraes

É professor da Unicamp, pesquisador do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Estudos sobre os Estados Unidos (INCT-Ineu) e colaborador da Fundação Perseu Abramo. É colunista do Brasil Debate

 
Reginaldo Moraes

Opções da direita: Uma delas é, sim, o golpe

Na sala de visitas da nova direita cabem Lobão, os meninos siderados de Wall Street e o pastor Feliciano. Se pudesse, ela liquidaria todas as políticas sociais, até a previdência e, assim como Aécio, aposta numa solução rápida e cirúrgica, radical

Não nos enganemos. Existe, sim, uma nova direita no Brasil. Ela foi se formando e se sedimentando ao longo dos últimos 30 anos, ainda que seja a continuidade de uma espécie mais antiga.

Essa nova direita não é exatamente partidária ou apenas partidária. Está fortemente nucleada em aparelhos políticos de outra natureza: mídia, ONGs, institutos, centros de “estudo” e difusão de ideias. Sua retaguarda material é composta de empresários bem-sucedidos, broncos mas espertos.

Alguns até fazem graça com governos progressistas. Mas vejam quais empreendimentos “intelectuais” os Gerdaus e assemelhados andaram financiando nesses anos e encontraremos think tanks neoliberais.

Outros desses empresários são por nós paparicados, como Lemann. Enquanto isso, o esclarecido filantropo e educador financia ataques ciber-guerrilheiros contra nossas ideias e organizações. Outros são claramente e francamente antirreformas, antirregulações, antiestado. Anti-nós.

Os donos do Itaú nunca esconderam isso. Ou os Marinho. Ainda outro dia, o dono da cadeia Riachuelo, conhecido militante do Partido Liberal, resumiu a ideia, de modo simples e simplório: fora o Estado! Que as raposas andem livres em campos livres!

Essa nova direita brasileira imita a norte-americana e certamente tem laços, inclusive financeiros, com os gringos. Volta e meia aparece um traço dessas ligações. Não surpreende. Afinal, não os une apenas a ideologia, mas os interesses. Para a grande estratégia americana não interessa um Brasil que fique em pé e com a coluna reta. É um incômodo para a influência americana na América do Sul e, como se viu nos últimos anos, mesmo mais além.

E não nos esqueçamos do modo como olham para as oportunidades que veem aqui: entrar de sola no pré-sal, substituir empreiteiras brasileiras, explorar mais fortemente o potencial agrobis. Uma mina de ouro. Ou várias.

A nova direita americana conseguiu conciliar duas coisas diferentes e aparentemente contraditórias – os yuppies financistas, moderninhos e até dissolutos, drogados e pervertidos, com a direita religiosa fundamentalista, que odeia toda essa “modernidade”.

Na sala de visitas cabem Lobão, os meninos siderados de Wall Street e o pastor Feliciano. Para isso, os novos sacerdotes da direita recriaram o cristianismo. Sequestraram Jesus e o transformaram em um ícone neoliberal. Há no ar, nas rádios e TVs, uma nova religião, uma nova teologia, a teologia do sucesso e da realização individual a qualquer custo. O lucro é uma bênção. O pecado da cobiça se transformou em virtude que abençoa o crente e homenageia seu deus.

Clique para contribuir!

Essa nova direita é radical. Se pudesse, liquidaria todas as políticas sociais, até a previdência. Sonha com isso. Liquidaria as regulamentações trabalhistas, ambientais, o que for necessário para garantir o livre movimento do capital. Se pudessem, revogariam a lei do imposto de renda progressivo. Quem sabe até a Lei Áurea precisasse de uma emenda, não é mesmo?

A velha direita, alojada principalmente nos partidos, está um pouco desconcertada. Pelas derrotas e pela pressão dos novos companheiros. Está dividida também quanto aos passos políticos imediatos. É ingênuo pensar que nenhum segmento da direita queira golpe ou impeachment. Quem diz isso nega a realidade para acalentar seus dogmas. Há hoje duas claras posições na direita partidária brasileira, com equivalentes na direita extra-partidos.

Uma delas não pode e não quer esperar. Não acredita em cozinha lenta. Ou vê, em um processo desse tipo, resultados que não convêm a seus interesses. Elementos menores e pessoais também pesam nessas avaliações. Se a presidenta caísse hoje, digamos, é possível e provável que tivéssemos novas eleições, mesmo sendo controversa a letra da lei. Aécio seria candidato? Ainda estaria no baralho. Bem possível. Mas… e se passarem alguns meses mais, talvez um ano? Bem, daí as eleições ficam para 2018.

A lembrança de Aécio nos eleitores de direita e centro-direita talvez se desmanche. Já é mais fraca hoje, ele esperneia para estar na mídia, nem que seja pelo ridículo. Sua reputação pode não resistir ao desgoverno revelado que ele e seu mordomo fizeram em Minas. Ou das demais ilegalidades em que está metido. Qualquer investigação superficial levaria até à cassação de seu mandato. Ele pode esperar até 2018? Não. Os outros podem. Preferem.

A nova direita, assim como Aécio, aposta numa solução rápida e cirúrgica, radical. Não lhe basta a derrubada da presidência. Quer limpar o país dos “ratos”, não nos iludemos. Seria uma derrota similar a 1964 ou 1970, podemos escolher o cenário. Uma derrota que determina que por anos sequer a palavra política seja pronunciada. Escolham o paralelo histórico, mas o silêncio de cemitério seria desse tipo.

A nova direita sabe que, no PSDB, precisa de gente como Aécio. Pressiona para que ele se junte à rua e rompa com a atitude “mole” dos velhos cardeais. Mas Aécio é apenas um aceno. O céu é o limite. Ou o inferno?

Esses sãos os dados no jogo da direita. E a esquerda?

 

Clique para contribuir!
Share

1 resposta to “Opções da direita: Uma delas é, sim, o golpe”

  1. Rodrigo Bernardo disse:

    Afinal o NSA e os outros órgãos de inteligência do Império não tem bilhões de dólares para fazerem pesquisas de opinião: financiam ONGs, políticos, juízes, legisladores, etc. E a política que financiam nada tem a ver com ideologias, são todas desculpas para o controle dos recursos necessários para a continuação da expansão do capitalismo imperial, destruindo o planeta e causando miséria.

    A esquerda necessariamente, e nem poderia ser de outra forma, tem de estar presa a mínimos princípios éticos. Mas tem de ser muito mais assertiva e agressiva ao se defender. Não bastam notas mensais ou esporádicas explicando esse ou aquele ponto. É obrigação no sistema democrático a informação do povo. Precisamos de uma cadeia nacional do Governo Federal, semanal, em todos os meios de comunicação de massa, para explicar e mostrar as suas ações. Não há saída sem uma discussão ampla, com conscientização política da sociedade, para combater a mentira e a distorção de idéias, e principalmente a hipocrisia, que é a raiz do fascismo.

Comentários