Vargas e Goulart saíram do poder ao tempo em que concediam direitos sociais, sobretudo aos menos favorecidos. Durante os governos do PT, os trabalhadores ampliaram sua renda, o salário mínimo cresceu de maneira contínua e houve uma série de programas sociais. Não surpreende que, mais uma vez, setores da sociedade brasileira se ergam contra tais políticas.
" />

Brasil Debate

Brasil Debate

 
Róber Iturriet Avila

Ódio ao PT?

Na história do Brasil, sempre que o salário mínimo e a renda média subiram, houve algum tipo de intento golpista. O problema da elite não é com a corrupção

12/03/2015

Publicado em Carta Maior em 11-3-2015

Três intelectuais de relevo trataram recentemente acerca do ódio ao PT: Leonardo Boff, Luis Fernando Veríssimo e Luiz Carlos Bresser Pereira. Suas palavras têm a lucidez de quem enxerga além das aparências e do senso comum. Embora o momento corrente não seja corriqueiro, um olhar histórico traz ensinamentos.

Na Revolução Francesa, por exemplo, na aparência havia uma ruptura lastreada em novos valores: Liberté, Egalité, Fraternité. O pano de fundo real era, entretanto, a emergência de um novo grupo. Em meio a um período econômico conturbado, a burguesia degolou o poder político e o status social da aristocracia.

No Brasil, a constatação de que a escravidão foi excessivamente longa já sinalizava que o arranjo da sociedade é deveras estamental. Políticas progressistas sempre encontraram fortes barreiras conservadoras.

Os conflitos de 1954, por exemplo, foram intensos. Na superfície, o governo estava cercado diante dos “escândalos” de corrupção. A constante oposição na imprensa desgastava Vargas. Em 1954, o então presidente aumentou o salário mínimo em 100%. Quem não é ingênuo sabe que Vargas estava contrariando interesses empresariais, tanto com a concessão de direitos trabalhistas e civis, quanto com ampliações salariais. O suicídio foi a saída honrosa ao cerco montado.

João Goulart foi presidente em um período de conflitos. Seu governo concedia elevados aumentos salariais, prometia reforma urbana, voto de analfabetos, elegibilidade de todos brasileiros, reforma agrária, concessão de terras a trabalhadores rurais, justiça social, emancipação dos brasileiros. Caiu! O receio do “golpe comunista” foi o discurso raso que justificava.

Vargas e Goulart saíram do poder ao tempo em que concediam direitos sociais, sobretudo aos menos favorecidos. Não é novidade que durante os governos do PT, os trabalhadores ampliaram sua renda, o salário mínimo cresceu de maneira contínua e houve uma série de programas sociais. Não surpreende que, mais uma vez, setores da sociedade brasileira se ergam contra tais políticas, ainda que, escamoteadamente, o bordão seja “contra a corrupção”.

Evidentemente, existem elementos factuais dos governos Lula e Dilma que causaram desconforto e indignação a todos os cidadãos. Contudo, é preciso muita inocência para imaginar que as manifestações contra o governo são incentivadas pelo descontentamento com a corrupção, pela elevação do preço do combustível ou da energia. Quem tem conhecimento histórico e compreensão profunda da sociedade não ignora a ojeriza existente a um programa que garante R$ 35,00 para os pobres. O ódio não é ao PT.

Conhecendo um pouco mais dos dados do Brasil se observa que houve dois momentos de crescimento relevante do nível dos salários: no período Getúlio Vargas – João Goulart e nos governos do Partido dos Trabalhadores.

Os gráficos abaixo não apenas demonstram esses movimentos como indicam que presentemente o excedente operacional bruto caiu em relação ao produto total em detrimento do incremento nos salários. Interesses poderosos estão sendo feridos. Não apenas segmentos estão perdendo, em termos relativos, como também regiões. Será mesmo preciso pintar de azul em um mapa qual região perde mais com a solidariedade distributiva?

grafico rober1

grafico rober 4

grafico rober3

Clique para contribuir!

8 respostas to “Ódio ao PT?”

  1. Carvalho Leisomar disse:

    o que se observa com grande frequência é um numero de pessoas dizendo que o o Brasil só conseguiu investir no social graças a estabilização da moeda feita no governo FHC, esquecendo que mesmo o “São FHC” estabilizando a economia, não foi capaz de fazer nada pra melhorar a situação financeira das classes mais pobres desse país, assim sendo, é hora de admitir: o Governo do PT foi responsável pela melhoria da qualidade de vida dos mais pobres desse país, investiu em educação e em infraestrutura, enfim, a menos que estejam conspirando contra o Brasil, ta na hora de parar de ver os jornais da Globo e de ler a Veja e procurar destacar os benefícios conseguidos pelo o governo que aí está, para a classe pobre e trabalhadora desse Brasil, afinal o que se lê nesses jornais e revistas, são opiniões de jornalistas que a meu ver deixaram de ser jornalistas profissionais e passaram a ser videntes, uma vez que não se prestam ao trabalho de destacar o que melhorou nesse país nos últimos 12 anos, e a vocês que vivem alardeando que o governo do PT é corrupto deveriam se perguntar por que o governo de FHC e o PSDB, sempre fizerem questão de tirar a autonomia dos órgãos de investigação desse país? A impressa que vocês assistem não falaram em momento algum que o FHC e O PSDB foram os que mais se beneficiaram com as doações de empreiteiras.

  2. José Angelo disse:

    Por que ninguém reconhece que o sucesso do programa social do pt não seria possível sem a estabilidade econômica que o Plano Real trouxe? Por que ninguém reconhece que todo o progresso que tivemos nos últimos 20 anos estão se esvaindo entre nossos dedos devido à todos estes esquemas de corrupção? Você acha mesmo que isso é manipulação? Que todo este povo nas ruas reclamando são inocentes e analfabetos funcionais? O que você não percebeu é que a real elite brasileira, não a que o pt fala, pois essa é classe média, é o grande beneficiado. Anualmente somente 15 bilhões são destinados ao bolsa família, enquanto 200 bilhões aos financiamentos empresariais.

    • Chico disse:

      Tdos reconhecem que a estabilidade econômica foi e é importante.

      Falta o sr. reconhecer q o FHC, não fez nenhuma UF, nehhum IF. Só para ficar na educação…

      Quem tá na rua reclamando não é o povo. é a chamada elite branca incomodada exatamente com o que o professor descreve: os AVANÇOS SOCIAIS!!!

  3. Róber Iturriet Avila Róber disse:

    Olá Moisés. Com relação aos dados, eles estão disponívies nos sites do IBGE e do IPEA.
    Estudos sobre o período Vargas e Goulart existem muitos. Uma das maiores referências do Brasil no tema é Pedro Fonseca. Ele tem vasto material disponível na internet.

    http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4783823A8

    abraços

  4. Moises Viana disse:

    Boa tarde professor. O senhor pode me informar mais pesquisas ou artigos que possam corroborar com esses dados que o senhor apresenta. Agradeço pois gostaria de me aprofundar nesse tema.

  5. Sergio disse:

    Exemplos ilários. Getúlio enfrentou o imperialismo criando estatais para enfrentar a sabotagem dos monopolios estrangeiros, aumentando os investimentos públicos e os salários, beneficiando trabalhadores e empresários nacionais. Dilma, ao contrário, numa traição até mesmo ao Lula, corta investimentos, tira direitos, arrocha salários, subsidia multinacionais, desindustrializa o país e acelera como nunca a desnacionalização de nossas empresas (veja relatório KPMG). Misturar governo Lula, que bem ou mal tomou um rumo desenvolvimentista, com a administração desastrosa de Dilma é uma fraude intelectual. Ainda mais agora que ela radicalizou sua traição entregando a economia para o chicago boy Joaquim Levy. Os outros exemplos para tentar justificar a traição da Dilma vai na mesma direção. E, por fim, é estarrece dor o descolamento da realidade do dilmismo. A ira popular contra a traíragem da presidenta já dá sinais de que será implacável.

    • Gabriel disse:

      hilarios, nao ilarios..

    • Marcos disse:

      Hilário é ver tanto exagero numa mensagem só. Quem lê pode até pensar que você descreveu o governo de FHC. Vamos a fatos bem simples. Governo Dilma, tirou o Brasil do mapa da miséria, chegou ao menor nível de desemprego da história, fora a continuidade que fez do governo Lula. Multiplicou por 10 o valro da Petrobrás (mesmo com todas as crises), criou mais vagas pra universitários do que todos os governo anteriores juntos, investiu mais em infraestrutura que todos os 08 anos de FHC, aliás, FHC investiu em infraestrutura.. ahh só vendeu nossa infraestrutura né.

      Amigo, acorde, pare de ler veja antes que seja tarde pra você e pro Brasil.

Comentários