A autora chama a atenção para a necessidade de a questão da migração – tanto dos brasileiros que saem do País, quanto de estrangeiros que em número crescente optam por vir para cá – entrar na agenda política do próximo presidente da República.
" />

Brasil Debate

Brasil Debate

Erika Pereira de Almeida

É socióloga e doutoranda em Sociologia pela Universidade Paris Sorbonne, França. Pesquisadora do Centre Population et développement, INED, França

 
Erika Pereira de Almeida

O Brasil na rota das migrações internacionais

Houve uma ligeira redução no tamanho da comunidade ‘brazuca’. Ela pode ser atribuída tanto aos efeitos da crise econômica na Europa, EUA e Japão, como, inversamente, ao crescimento econômico no Brasil, contribuindo para a volta de muitos brasileiros. Outra questão é o País como destino de imigração

Todo mundo, ou quase, tem um parente ou amigo que morou ou mora no exterior. O fenômeno da emigração brasileira tem como pano de fundo a crise econômica dos anos 1980 e 1990, a “década perdida”.

Inicialmente formado por pioneiros que partiam e se instalavam no exterior, esse movimento tornou-se um fenômeno generalizado e fez a fama da cidade de Governador Valadares, em Minas Gerais. Nessa época, fluxos massivos de brasileiros partiram do País em direção ao exterior e se instalavam principalmente nos Estados Unidos, no Japão e também em país da Europa.

Segundo estimativas, entre as décadas de 1980 e 1990, cerca de 2 milhões de pessoas imigraram para o exterior. Migrar deixou de ser um fenômeno isolado de quem sonhava em “fazer a América” para algo comum.

De tão comum, o assunto foi até tema de novela. Quem não se lembra da novela “América” em que a protagonista usou de todos os meios para chegar ao “El Dorado” estadunidense?

Atualmente, além dos Estados Unidos, outros países têm recebido um fluxo importante de brasileiros que buscam melhores condições de vida, como a França, a Alemanha e a Suíça. Esse movimento ganhou tal amplitude em razão das redes migratórias. Formadas muitas vezes por agenciadores e facilitadores – muitos deles membros de verdadeiras quadrilhas -, elas participam ativamente na ida dessas pessoas para o exterior.

Uma das características desses imigrantes é o fato de se encontrarem em situação migratória irregular. Os “ilegais”, muitos deles de formação superior e originários de nossa classe média, partiram e partem em direção ao estrangeiro para ocupar postos de trabalho inferiores às suas formações.

É comum encontrar pessoas com curso superior como lavadores de pratos nos restaurantes de Nova York e como faxineiras e babás das famílias ricas norte-americanas.

Além deles, há também os trabalhadores das usinas japonesas e os pedreiros em Portugal. Esses são casos típicos de brasileiros que, em razão da falta de perspectivas profissionais, viram na migração uma alternativa à hiperinflação, ao desemprego e à instabilidade econômica dos anos 1980 e 1990.

Esses são nossos “exilados econômicos”, como apontaram a alguns estudiosos na época. A esses indivíduos que vivem do subemprego e vivendo como ilegais somam-se, atualmente, os brasileiros que são alvos de políticas de recrutamento de trabalhadores qualificados, como é o caso de Québec, no Canadá e da Austrália.

Não se conhece o real tamanho da comunidade brasileira lá fora. Os dados disponíveis provêm de estimativas feitas pelo Ministério das Relações Exteriores que, desde 2008, publica os números da comunidade brasileira no exterior.

Os três primeiros anos dessas publicações revelaram aumento da emigração brasileira. Parte desse crescimento entre 2008 e 2011, apesar da crise econômica mundial, é atribuído à continuidade/inércia do movimento migratório motivada nos anos precedentes pela expansão econômica nos países de destino, que incentivou a emigração.

As publicações mais recentes de 2011 e 2012 mostram uma ligeira redução no tamanho da comunidade ‘brazuca’. Essa redução pode ser atribuída tanto aos efeitos da crise econômica nesses países como, inversamente, ao crescimento econômico no Brasil contribuindo para a volta de muitos brasileiros.

Entre 2012 e 2013 houve uma retomada do crescimento do movimento de saída dos brasileiros, provavelmente ligada à remigração daqueles que voltaram e à migração daqueles que anteriormente não quiseram ou não puderam emigrar.

grafico brasileiros no exterior1

grafico brasileiros no exterior2

Não recebendo nenhuma atenção específica por parte do Estado, somente nos últimos 15 anos algumas iniciativas foram tomadas em prol da diáspora brasileira buscando atender às suas necessidades.

Houve a ampliação de serviços, como os “consulados itinerantes”, realizando missões em locais sem representação consular; a criação da “Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior”; aumento de recursos destinados à assistência aos brasileiros e a realização periódica das conferências “Brasileiros no Mundo”, reunindo representantes das comunidades brasileiras e representantes do governo.

Em 2010, tornou-se oficial a iniciativa de se eleger representantes das comunidades estreitando as relações entre a comunidade e os consulados.

Brasil como destino

Mas o Brasil não sofre apenas o movimento de saída, uma diáspora. Nos últimos anos, o Brasil entrou na rota das migrações internacionais como país de destino.

Os fluxos de estrangeiros em direção ao Brasil têm aumentado sensivelmente e o caso dos bolivianos e dos haitianos tornou-se paradigmático.

O Brasil tem recebido imigrantes originários de países vizinhos, de países da África, do Oriente Médio e da Ásia, que buscam no Brasil o seu American dream. Infelizmente, esses indivíduos têm sido vítimas de agenciadores inescrupulosos e de empregadores que os empregam em sistemas de semiescravidão, principalmente em ateliês de confecção de roupas.

Além deles, o Brasil tem recebido também um fluxo crescente de refugiados provenientes de países em situação de crises humanitárias, como aquelas vividas por países da África e do Oriente Médio.

Ademais, o Brasil tem recebido imigrantes qualificados vindos da Europa que, em razão da crise econômica que afeta parte dos países da região, têm buscado no Brasil uma oportunidade profissional. Esses indivíduos vêm ocupar, principalmente, o mercado de trabalho que têm sofrido com escassez de mão de obra, como os da tecnologia e da engenharia.

O Brasil entrou na rota das migrações internacionais pela porta dos fundos. Só que essa porta dos fundos ganhou tapete vermelho, embora ainda não seja o caso de comemorar.

Há outros objetivos a serem alcançados, como a representação política dos nossos emigrantes que merecem eleger seus representantes na Câmara. É preciso pensar também na sorte desses que saem de seus países e que consideram o nosso país como o “El Dorado”. As necessidades dos nossos e dos outros que se tornaram nossos devem fazer parte de nossa agenda política, qualquer que seja o presidente do Brasil a partir de 2015.

Crédito da foto da página inicial: Jornal GGN

Clique para contribuir!

4 respostas to “O Brasil na rota das migrações internacionais”

  1. […] socióloga Erika Pereira para a revista Brasil Debate. A publicação é encontrada aqui.> O Brasil na rota das migrações internacionais Houve a ligeira redução no tamanho da […]

  2. […] Brasil Debate já tratou das rotas internacionais de migração e do papel do Brasil e mostrou que, se nos anos 1980 e 1990 muitos brasileiros emigraram para […]

  3. Divina disse:

    Parabéns,Gostei muito!E na verdade é preciso que o trabalho dos nossos emigrantes seja valorizado,como é na Europa,onde simplesmente “lavar pratos”,é bem remunerado!Bj Bran.Te amo!Mamys.

  4. […] da emigração de brasileiros, tal como no México, revertendo tendências atuais, como discutido AQUI . Cabe à população brasileira, novamente, rejeitar a proposta de […]

Comentários