Para os autores, o golpe em curso, que também é preventivo contra eventual candidatura de Lula mais adiante, não é questão jurídica ou de ódio ao PT, é uma questão prática.
" />

Brasil Debate

Brasil Debate

Gisálio Cerqueira Filho

É professor titular de Teoria Política da Universidade Federal Fluminense (UFF)

Gizlene Neder

É professora titular de História da Universidade Federal Fluminense (UFF)

 
Gisálio Cerqueira Filho e Gizlene Neder

Midiatização da crise

A midiatização de uma crise econômica séria deu asas ao imaginário das elites, que viu no horizonte uma oportunidade de golpe jurídico-midiático-financeiro contra as forças populares, malgrado todos os erros de gestão e alcance político que o governo de coalizão do PT tenha cometido

05/05/2016

Desde la perspectiva de quien no vive el día a día la política brasileña, debo decir que soy capaz de percibir que el espectáculo ofrecido con el juicio político seguido contra la presidenta Dilma Rousseff se asemeja mucho a los ya vividos en otros países como Paraguay u Honduras, en los que, como ahora, el golpe se fraguó institucionalmente por parte de quienes solo están interesados en alcanzar el poder a cualquier precio

(Baltasar Garzón Real, jurista, Magistrado Juiz y advogado espanhol).

[1] Judicialização e midiatização da crise

MIDIAtização – MÍDIA, a pronúncia vem do inglês, mas a expressão vem do latim MEDIA (meios). A fonética em inglês de uma expressão latina é já um sintoma da presença dos EUA na cultura política brasileira. Há um movimento político da nova direita que conta com apoio na atual judicialização da política (crise) e da midiatização desta crise para tirar a presidente do poder Executivo como se estivéssemos no parlamentarismo, pois a presidente perdeu a maioria no Congresso Nacional.

O presidencialismo de coalizão foi praticado pelo PSDB, o qual, todavia, não o aceita quando a liderança é da esquerda ou centro-esquerda. É como se os sentimentos políticos que embasam a legitimidade da coalizão estivessem cravados nas concepções religiosas de pureza dos “eleitos de Deus” – estes sim; podem realizar coalizões, pois não se corromperão; e quando isso ocorrer é para o bem a ser alcançado sabe-se lá quando…

The medium is the message (Marshall McLuhmann) é mote para o movimento para apear Dilma do poder, pois que passa pelo monopólio da televisão (Rede Globo) e pela ausência de “controle social” vigente da mídia. O contraponto das redes sociais mostrou-se insuficiente para barrar o poder midiático; embora elas tenham sido decisivas nos resultados eleitorais de 2014, que deram a vitória ao PT. Recorde-se ainda que a renovação da concessão para a Globo ocorrerá nas vésperas das eleições em 2018.

[2]

Uma interessante questão é que a mídia estrangeira, interessada no Brasil, faz um belo contraponto ao monopólio da Rede Globo, e esta é certamente uma novidade no cenário internacional. A mídia estrangeira tem feito um trabalho jornalístico mais profissional, o que deixa a mídia brasileira incomodada. Então ela precisa dar uma satisfação à sua audiência.

[3] Ficção guiando a realidade?

Reportamo-nos a recente artigo publicado em O Globo. O título diz muito: “A cabeça de Lula”. Há o fato de que o cineasta José Padilha acabou de fechar um acordo com a empresa norte-americana Netflix para a elaboração de um seriado sobre a “Operação Lava-Jato”. No ensaio de 18 de abril, Padilha sugere a hipótese de haver evidências irrefutáveis contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva capazes de justificar sua prisão e condenação pelo juiz Sergio Moro…

A tal hipótese segue-se outra de que, neste caso, os “fanáticos lulistas” entrariam em campo para exigir que o STF corte mais cabeças. Padilha chega a dizer cinicamente que então estaria com o PT. E, por fim, conclui que o futuro do Brasil talvez dependa de uma só coisa: da cabeça de Lula. A esta notícia assim reagiu o advogado de Lula, Cristiano Martins Zanin: “Caso o seriado de Padilha dependa da ‘cabeça de Lula’ para fazer sucesso, ele vai viver um problema. O mais fácil será ir atrás de outro personagem que se curve à sua realidade particular”.

E ainda há quem diga que não há um golpe em curso no Brasil. A midiatização de uma crise econômica séria deu asas ao imaginário das elites que viu no horizonte uma oportunidade de golpe jurídico-midiático-financeiro contra as forças populares, malgrado todos os erros de gestão e alcance político que o governo de coalizão do PT tenha cometido…

A gestão pública não confere no presidencialismo, ainda que de coalizão, o direito de derrubar a presidente da república legitimamente eleita. Mas há mais: sugere-se já descaradamente que Lula pode ser preso a qualquer momento. O golpe em curso é também preventivo contra eventual candidatura de Lula mais adiante.

[4]

A nossa conclusão, nestas breves reflexões, é que o golpe em curso não é uma questão do pensamento, sequer do pensamento jurídico ou da “ciência do direito”, como muitos ainda gostam de dizer. Não é também uma questão estritamente afetuosa, uma posição afetiva contra o PT ou a presidente. O golpe é uma questão prática que já está em curso.

Esta interpretação é também acompanhada pelo Dr. André Ramos Tavares, professor titular da USP, que atua na área do Direito Constitucional Econômico. Já foi Pró-Reitor da PUC-SP e tem livros publicados, entre eles, com Ives Gandra Martins e Gilmar Mendes, conhecidos críticos do Governo. Citamos “Lições de Direito Constitucional em Homenagem ao Jurista Celso Bastos”.

Crédito da foto da página inicial: Paulo Pinto/Fotos Públicas

Clique para contribuir!

2 respostas to “Midiatização da crise”

  1. Carlos Tramontina disse:

    Gisálio e Gizlene?

  2. Antonio Elias Sobrinho disse:

    As reclamações, os protestos e as lamentações a respeito do poder desproporcional da mídia vem de longe. Brizola, pelo que me consta, foi o único a denunciar e a enfrentar, de alguma maneira, essa questão. Os outros, inclusive o PT, tentaram contornar ou atrair para sua coligação os grupos da mídia, sobretudo a Globo e, num certo momento, quando tinham dinheiro e popularidade, dava até a impressão que o esquema funcionaria. Quando as coisas se inverteram é que foram perceber que, acordo com esse tipo de gente, para quem pretende mudar alguma coisa de substancial nesse país, é algo circunstancial. Assim, só quando o dinheiro acabou e a popularidade começou a minguar é que se deram conta do engano. Hoje, acho que dessa vez não deu mas que, pelo menos, sirva de lição para o futuro.

Comentários