Estudo do DIEESE sobre a saúde do trabalhador no processo de negociação coletiva no Brasil mostra como a pauta de reivindicação dos sindicatos brasileiros incorporou, nos últimos anos, essa questão.
" />

Brasil Debate

Brasil Debate

 
Mercado de trabalho

Greves mostram maior preocupação com saúde do trabalhador

Entre os desafios hoje no mercado de trabalho estão os impactos do trabalho na saúde física e mental do trabalhador, incorporada à pauta de reivindicação de sindicatos brasileiros.

Estudo do DIEESE sobre a saúde do trabalhador no processo de negociação coletiva no Brasil mostra como a pauta de reivindicação dos sindicatos brasileiros incorporou, nos últimos anos, essa questão.

Primeiramente, o estudo mostra que, entre 2010 e 2012, o número de greves cadastradas no SAG-DIEESE aumentou em 96% e o número de horas paradas em 93%.

Também as greves da esfera pública registraram crescimento de 53% e as da esfera privada expressivos 162%, fazendo com que as greves da primeira deixassem de ser predominantes em relação às da segunda.

quadro greves1

O estudo também analisa as greves quanto à sua dimensão propositiva (greves que propõem novas conquistas ou ampliação daquelas que já estão asseguradas) ou defensivas (greves que se caracterizam pela defesa de condições de trabalho vigentes, pelo respeito a condições mínimas de trabalho ou contra o descumprimento de direitos estabelecidos em acordo ou legislação).

Quanto a este quesito, de 2010 a 2012, enquanto o número de greves com reivindicações propositivas aumentou 59%, as com reivindicações defensivas cresceram 192%. Assim, se em 2010 e 2011, as greves predominantes foram as de caráter propositivo, em 2012, esta situação se inverteu.

quadro greves2

Saúde

Entre 2010 e 2012, o número de greves que teve entre suas reivindicações itens classificados no tema saúde do trabalhador aumentou em 146%. Neste mesmo período, o crescimento do conjunto anual das greves foi de 96%. E enquanto as horas paradas nas greves do tema saúde do trabalhador tiveram, ao longo desse intervalo, aumento de 165%, o crescimento do conjunto anual foi de 93%.

Na esfera privada, o aumento no número das greves classificadas no tema saúde do trabalhador atingiu a expressiva marca de 221%, crescimento substancial, ainda mais pronunciado que o já considerável crescimento das greves nesta esfera. Em relação às horas paradas, o crescimento nos números das greves da esfera pública relacionadas ao tema saúde é de 121%; na esfera privada, é de 286%.

Observa-se, então, que a questão da saúde do trabalhador foi uma pauta crescente nos anos analisados, conjugada a um crescimento do caráter defensivo das greves, no sentido de garantir o cumprimento de direitos já estabelecidos.

 

Crédito da foto da página inicial: Marcello Casal Jr./ABr

Clique para contribuir!

Comentários