Segundo o autor, a crise política em que estamos mergulhados, e que tem na sua base o petróleo e a Petrobrás, está levando ao avanço da agenda neoliberal e à desmobilização do projeto nacionalista.
" />

Brasil Debate

Brasil Debate

Marco Aurélio Cabral Pinto

É professor da Escola de Engenharia da Universidade Federal Fluminense, mestre em administração de empresas pelo COPPEAD/UFRJ, doutor em economia pelo IE/UFRJ. Engenheiro no BNDES e Conselheiro na central sindical CNTU. É colunista do Brasil Debate

 
Marco Aurélio Cabral Pinto

Golpe civil e adiamento do projeto brasileiro

A crise, que tem em sua base o petróleo e como desencadeador político a Operação Lava Jato, está a serviço do triunfo da agenda neoliberal sobre as estruturas estatais brasileiras, de forma a impedir o projeto nacionalista de desenvolvimento

02/03/2015

A inconfidência mineira fracassou na conquista da independência política (soberania) do Brasil diante dos interesses internacionais no último quartel do século 18. À época, os dominadores portugueses percebiam o Brasil como espaço de acumulação privilegiado e, a despeito de teses nacionalistas infiltradas na máquina pública, utilizaram-se de inteligência e poder policial-militar para sufocar projeto de poder soberano no País.

Séculos depois, o “ouro negro” surge na base da crise política que ameaça a continuidade da democracia brasileira. Não a democracia televisiva, festejante. Mas a real, como sistema político que se orienta pela vontade da sociedade difusa. Por alguns chamada de populismo, a democracia brasileira parece suprimida diante de golpe civil que alçou ao núcleo de poder da República os interesses conservadores, com nenhum outro objetivo do que abortar o aprofundamento do projeto brasileiro.

O mais triste é que o golpe civil se desenrola em momento em que o Brasil parece sobrevoar crise internacional de grandes proporções, cujos desdobramentos políticos aparentemente reforçam hipóteses de instabilidade sistêmica crescente.

O objetivo do presente artigo é analisar a crise brasileira sob o ponto de vista do golpe civil em curso.

A operação Lava Jato como bomba atômica política

Exatos 29 dias do pleito eleitoral que escolheria presidente, governadores, senadores e a totalidade dos deputados federais e estaduais no País, recuperou-se assunto até certo ponto “resolvido” por parte dos “aliados” do PT. A investigação Lava Jato era até então mais uma investigação da equipe da polícia federal para “crimes financeiros”, debelada politicamente no Congresso a despeito da repercussão pública negativa para o Governo Federal.

A Lava Jato durou cerca de 70 dias entre a deflagração e o estabelecimento de CPI mista com objetivo de apurar irregularidades em contratos da Petrobrás. No entanto, o assunto se encontrava latente.

A ressurgência das agressivas manchetes (Jornal Nacional e Revista Veja) às vésperas das eleições deveu-se a vazamento (espionagem ou cooptação da PF?) de depoimento de ex-diretor que implicava conjunto amplo de políticos em esquemas de corrupção nos contratos da petroleira. No entanto, o efeito sobre a candidatura para reeleição foi relativamente pequeno.

A ação da Polícia Federal e o vazamento seletivo de informações à mídia: seria tudo concertado?

Às 6 horas da manhã de 17 de março de 2014 os cerca de 400 agentes da polícia federal envolvidos na operação Lava Jato iniciaram operação de grande envergadura. A ação ocorreu em Curitiba e outras 16 cidades do Paraná, São Paulo, Distrito Federal, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Rio de Janeiro e Mato Grosso. Ao todo, foram cumpridos cerca de 80 mandados de busca e apreensão, 18 de prisão preventiva, 10 de prisão temporária e 20 de condução coercitiva (intimados a depor). Poucas horas depois a grande imprensa brasileira iniciava divulgação de informações sobre a operação, providas pela própria polícia federal. O quadro abaixo relembra os principais passos da Operação Lava Jato:

tabelamarco03

tabelamarco04

tabelamarco05

Golpe Civil

O resultado sobre a formação do pacto político brasileiro não poderia ser mais desastroso. A participação dos banqueiros na gestão dos recursos públicos remonta a era FHC, quando o Ministério da Fazenda (Banco Central, Tesouro, Receita Federal) e Ministério do Planejamento (orçamento e gestão) eram integralmente controlados por preferidos dos banqueiros.

Para tanto, frustrou-se conjunto de medidas esperadas para o governo eleito: diminuição de juros, aumento de escopo de projetos públicos etc. Alegadamente, os banqueiros estariam “intervindo” para preservar a capacidade brasileira de endividamento, em linha com os interesses de acumulação bancária.

No entanto, aparentemente o pleito da banca, derrotada nas eleições, foi bem além da simples correção de gastos públicos. Importa que o avanço da agenda neoliberal triunfe sobre as estruturas estatais brasileiras, retirando-se qualquer possibilidade futura de implementação de projeto nacionalista com mobilização da indústria e da pesquisa & desenvolvimento brasileiras.

Como alvo principal dos ataques figuram as duas principais empresas de energia – Petrobrás e Eletrobrás –, para as quais há estudos de venda de ativos majoritários nas controladas (BR Distribuidora, Transpetro / Furnas, Chesf).

Assim, as holdings públicas se ocupariam de “negócios-meio”, atuando como captadoras de dividendos para geração de superávit primário pela União. À Petrobrás caberia enfrentamento do arriscado e relativamente pouco lucrativo segmento de exploração. Até refino tem sido negado pelos interesses invasores, bastando-se examinar o alvo das denúncias de corrupção – empreiteiras de construção civil pesada em refinarias de petróleo.

As empresas de engenharia brasileira têm incomodado bastante os interesses internacionais com seu protagonismo na ocupação dos territórios econômicos vizinhos (América do Sul e África). Por outro lado, dispõem de recursos financeiros e humanos para avançar no processo sem recorrer a negociações com os interesses financeiros em busca de crédito para investimentos. As empreiteiras brasileiras possuem competitividade e liderança tecnológica para ganhar espaços ulteriores no mapa mundi.

Desta forma, nos últimos cerca de 10 anos, a engenharia civil brasileira permitiu a expansão das fronteiras econômicas do País, passando a incomodar interesses internacionais, principalmente norte-americanos em Angola (que também possui grandes reservas de petróleo).

O momento para se abortar o projeto civilizatório brasileiro não poderia ser mais oportuno. Foi equacionada, entre 2003 e 2014, boa parte das obras necessárias ao escoamento da produção agrícola brasileira para o exterior, perpetuando-se modelo de dominação no qual prevalece aliança entre banqueiros e latifundiários.

E a razão para a aliança é econômica. Dado que o crescimento da produtividade agrícola foi extraordinário (sementes trangênicas) na última década, os lucros dos latifundiários superaram em muito as necessidades de reinversões significativas (ampliação das fronteiras agrícolas), canalizando-se enormes recursos para o cassino financeiro, ainda que em fluxos decrescentes na conjuntura.

Completadas as obras para atender aos interesses exportadores, daqui para a frente o País iria (digo iria porque não irá mais) empreender esforços para melhorar a vida da sociedade na urbe, com investimentos significativos em saneamento, transporte, educação, saúde, iluminação pública, resíduos etc. Isto iria movimentar cadeia produtiva com elevado conteúdo nacional, elevando  ainda mais a oferta de emprego e a renda.

Infelizmente, este projeto foi abortado por golpe civil organizado e implementado pela aliança conservadora da elite contra o povo (banqueiros, latifundiários, mídia de massa). Este golpe civil impõe ao governo eleito regime de ajuste fiscal e desverticalização das principais empresas públicas mobilizadoras do capital industrial nacional, sob pena de levar adiante processo de impeachment presidencial ainda durante o ano de 2015.

Crédito da foto da página inicial: EBC

Clique para contribuir!

8 respostas to “Golpe civil e adiamento do projeto brasileiro”

  1. Marco Aurélio Cabral Pinto Marco Aurelio disse:

    Rodrigo,

    A corrupção não é privilégio do Brasil. Nossas empreiteiras deixaram, de certa maneira, de “arbitrar preços” contra o governo brasileiro nos últimos cerca de 15 anos. Desde então a democracia fortaleceu os órgãos de controle e o MP ganhou muita força. Isto fez com que as firmas nacionais se deslocassem para o setor externo em busca de novas oportunidades de “arbitragem”. Isto é o esperado pelo capitalismo.

    No exterior, passaram a concorrer com outras empresas de outras nacionalidades (portuguesas, chinesas, canadenses, etc). A prática corrente é a corrupção como forma de se ganharem contratos. Como você acha que se desenvolve o mercado internacional de armas, de diamantes, entre muitos outros ?

    Infelizmente os manuais de economia tratam moralmente uma questão que é de economia política. Não estou justificando a roubalheira, claro que não. Devemos punir os responsáveis. Mas não é só isso que vem sendo feito, né?

    Ab

    MA

  2. Rodrigo Gonçalves disse:

    Respeito seus argumentos, vejo pontos positivos nas políticas sociais dos últimos doze anos, mas não podemos aceitar corrupção de qualquer natureza, se antes não aparecia é porque o país está evoluindo.

  3. Cássio disse:

    As empresas de engenharia brasileira estão em Angola desde os anos 70, quando o governo Geisel reconheceu a independência de Angola e esta abriu seu mercado a empresas brasileiras.
    Esse texto faz lembrar um pouco os textos de petistas do jornal nascente, quando um dos sindicalistas afirmou que a Petrobras só foi reconhecida no mercado internacional de 2003 para cá, esquecendo ou ignorando o fato do mesmo governo Geisel ter criado a Braspetro, braço internacional da Petrobras, nos anos 70. Com a Braspetro o Brasil alcançou superavits com vários dos maiores produtores mundiais na época, como a República do Iraque. Os acordos com a SOMO, estatal de óleo iraquina, fizeram o Brasil exportar inclusive obras de engenharia com a Mendes Junior. Obras colossais como a Rodovia Expressay N 1 e a Ferrovia Bagdá-Akashat, a maior do oriente médio na época.
    Sem ser partidário, e alias não sou pois nada disso aí me representa, os militares sim foram os Verdadeiros Nacionalistas. Deixaram um legado de infraestrutura e tecnológio que nos beneficia até hoje.

    • Marco Aurélio Cabral Pinto Marco Aurelio disse:

      Caro Cassio,

      Concordo com suas palavras, a menos do juízo sobre os governos militares. Não há razões para elegermos “bons ou maus”. Para quem procura entender a história, importa pouco as biografias. O mundo é das organizações. O nacionalismo é um meio, não um fim. O fim é a minimização do sofrimento coletivo, o que implica em olhar para os que se encontram sem situação vulnerável com objetivo de ajudá-los a transformá-la.

  4. Adelaide Baeta disse:

    Parabéns Marco Aurélio!
    Cada vez mais competente!
    Sua professora Anna ficará muito feliz, e eu sinto-me orgulhosa de ter participado com você das aulas da nossa brilhante mestra.

Comentários