Os gestores de mobilidade urbana precisam providenciar ampliações das áreas para a circulação de pedestres. Como foi feito, por exemplo, em Barcelona, Espanha (foto).
" />

Brasil Debate

Brasil Debate

Wagner de Alcântara Aragão

É jornalista e professor. Mestre em estudos de linguagens. Licenciado em geografia. Bacharel em comunicação. Mantém e edita a Rede Macuco

 
Wagner de Alcântara Aragão

Distanciamento social exige mais espaço para pedestres nas cidades

A reabertura de comércios e serviços fez aumentar o fluxo de pessoas em ruas e avenidas. Com o tamanho das calçadas hoje disponíveis, fica impossível evitar proximidade e esbarrões. Gestores devem implementar intervenções nos viários dos grandes centros

24/06/2020

Manter distância de pelo menos um metro e meio das outras pessoas está entre as recomendações básicas de prevenção contra o contágio do novo coronavírus. No entanto, para que possamos respeitar essa orientação quando estivermos andando pelas cidades – ainda mais agora, quando (precipitadamente) comércio e serviços voltam a funcionar nos centros urbanos – não basta consciência. Falta espaço.

Os gestores de mobilidade urbana precisam providenciar para ontem ampliações das áreas para a circulação de pedestres. Se antes a reivindicação por calçadas mais largas era justificada como medida de segurança viária e estímulo a deslocamentos mais sustentáveis, em tempos de pandemia se torna indispensável ação de saúde pública.

As faixas de estacionamento em ruas e avenidas devem ser desobstruídas, liberadas para que funcionem como alargamento dos passeios. Outras vias necessitarão de ter o tráfego de veículos bloqueado, ou drasticamente restringido, para que se tornem calçadões que viabilizem o respeito ao distanciamento social prudente. Fica impossível evitar proximidade e arriscados esbarrões físicos com as dimensões hoje reservadas a pedestres, nas vias públicas.

O culto automóvel é uma praga da sociedade capitalista, consumista, de modo que toda iniciativa que signifique restrição a seu uso sofre resistência feroz. A mobilidade urbana é de competência dos administradores municipais, e em ano de eleição para Prefeituras e Câmara de Vereadores, esses agentes políticos querem fugir de tudo que represente certo desgaste. Mas, os que realmente estiverem imbuídos da defesa dos interesses coletivos, não devem se abster de enfrentar visões míopes.

Afinal, como dito, diminuir o espaço para carros para que se amplie a área de circulação das pessoas é emergência fitossanitária. As autoridades em saúde, as lideranças que atuam na defesa dessa área são muito bem-vindas na união em prol dessa causa.

Exemplos pelo mundo há. Na China, na Europa, a retomada gradual das atividades veio acompanhada de intervenções simples nos sistemas viários urbanos. A ampliação de ciclovias e ciclofaixas e, principalmente, de áreas exclusivas para pedestres foi verificada em grandes centros urbanos, antes da flexibilização da quarentena.

Precisamos cobrar isso em nossas cidades. Vamos começar?

Crédito da foto da página inicial: Fotos Públicas

Clique para contribuir!

Comentários