Confira entrevista com o presidente da Caixa Econômica Federal entre 2003 e 2006, o economista Jorge Mattoso.
" />

Brasil Debate

Brasil Debate

 
Vídeo

‘Crise impediu a privatização da Caixa’, diz Jorge Mattoso

Para ex-presidente da Caixa, crise tornou evidente a importância de um banco público como a instituição

20/05/2020

Publicado originalmente em Reconta aí

Presidente da Caixa Econômica Federal entre 2003 e 2006, o economista Jorge Mattoso vê a atuação do Banco Público em meio à pandemia como uma espécie de intervalo na implementação da política do Governo Federal em relação às estatais.

Em entrevista ao Reconta Aí, Mattoso comparou a Caixa com outras instituições financeiras sob o controle estatal.

“O atual presidente [da Caixa] foi colocado ali ‘para privatizar’. A crise impediu a privatização, mas não houve uma reversão da política. O BNDES está paralisado. A Caixa não está porque precisava de alguém para pagar o auxílio emergencial”, afirmou.

Em sua opinião, desde 2016 a Caixa foi inserida em um processo similar ao ocorrido na década de 1990, logo antes de ele próprio assumir a presidência do banco.

“Em 2003, a Caixa vinha de um período extremamente ruim. Ao longo do anos 90, foi preparada para ser privatizada. Foi reduzida em agências, funcionários, atividades de financiamento. Foi praticamente liquidada. Depois que derrubaram o governo Dilma, tentam fazer com a Caixa o mesmo que o governo Fernando Henrique [Cardoso] fez. Começar a dividir, privatizar algumas áreas, reduzir número de agências, de empregados”, avalia.

Ainda que a crise tenha tornado evidente a importância de um Banco Público como a Caixa, Mattoso é pessimista quanto ao futuro do órgão sob o governo Bolsonaro: “Tiveram que dar uma parada, mas não é um processo de recuperação da Caixa”.

Confira aqui.

Clique para contribuir!

1 resposta to “‘Crise impediu a privatização da Caixa’, diz Jorge Mattoso”

  1. ralfo bolsonaro bueno penteado disse:

    Não é assim que este governo vai quebrar a caixa preta de um pais como este estar na mão de apenas três bancos comerciais de varejo(Itaú, Bradesco, Santander). O estado precisa de seus bancos para manter sua política econômica tão necessário em um país cada vez mais SUBDESENVOLDIDO e não expor mais a população a um cartel bancário.Se foi promessa de campanha mentiu o presidente, dezoito meses e continuamos na mão do cartel bancário. #foraguede$

Comentários