Brasil Debate

Brasil Debate

Marcelo Pires Mendonça

É professor de História da Rede Pública de Ensino do DF (licenciado) e Coordenador-Geral de Mecanismos Formais de Participação Social da Secretaria-Geral da Presidência da República

 
Marcelo Pires Mendonça

Conferências nacionais: uma invenção brasileira que deu certo

O Brasil é reconhecido internacionalmente pela construção de políticas públicas com base no diálogo entre governos e sociedade civil. Uma demonstração do amadurecimento da nossa democracia por meio da participação direta

Entre as instâncias de participação relacionadas no Decreto 8.243 que institui a Política Nacional de Participação Social (PNPS), gostaria de chamar a atenção para as conferências nacionais.

Conforme o decreto, conferência nacional é a “instância periódica de debate, de formulação e de avaliação sobre temas específicos e de interesse público, com a participação de representantes do governo e da sociedade civil, podendo contemplar etapas estaduais, distrital, municipais ou regionais, para propor diretrizes e ações acerca do tema tratado”.

O amadurecimento da democracia brasileira por meio da participação direta possibilitou que nosso País seja o único no mundo a adotar este modelo de construção de políticas públicas, reconhecido internacionalmente por promover o diálogo entre governos e sociedade civil para este fim.

Considerando o caráter paradigmático de pôr em diálogo povo e poder público, que define o processo conferencial, entende-se que tal espaço se reveste de tamanha amplitude e inovação democrática que poderia ser aproveitado como lócus principal de desenvolvimento de um processo de reforma política dos conselhos nacionais, a ser incluída dentre suas temáticas.

Além da crise de representatividade dos conselhos, existe ainda a necessidade de ampliar a democratização dos processos eletivos de conselheiros, avançando do modelo de representação para uma eleição direta.

Assim, os conselhos e conferências nacionais como ilustrações vivas da democracia participativa devem evitar cotidianamente a reprodução de métodos (vícios) exercidos pelo parlamento e reprovados pela sociedade. E, para tanto, contribui que a composição e o plano de ação dos conselhos nacionais sejam o reflexo, um extrato da conferência nacional.

De 1941 a 2014, foram realizadas 143 conferências nacionais, das quais 102 ocorreram entre 2003 e 2014, abrangendo 40 áreas setoriais em níveis municipal, regional, estadual e nacional e mobilizando cerca de oito milhões de pessoas no debate de propostas para as políticas públicas.

Para o ano de 2015 estão previstas mais 14 conferências nacionais, com uma estimativa de participação de mais de dois milhões de pessoas, desde as etapas municipais à nacional.

Cabe destacar que as conferências são uma conquista histórica da sociedade civil, e que ao longo dos últimos 12 anos têm se tornado mais participativas, efetivas e inovadoras, contemplando temáticas relacionadas aos direitos e demandas de minorias e grupos em situação de vulnerabilidade social.

Hoje a PNPS se materializa por meio da atuação de instâncias como os mais de 40 colegiados (conselhos e comissões nacionais), as conferências, ouvidorias, mesas de diálogo, audiências e consultas públicas, que são fundamentais para garantia de direitos no âmbito da sociedade brasileira.

Alguns exemplos: Estatutos do Idoso, da Juventude, da Igualdade Racial, da Criança e do Adolescente; o Sistema Único de Saúde (SUS); o Sistema Único de Assistência Social (SUAS); a Lei Maria da Penha e os três Planos Nacionais de Políticas para as Mulheres; a criação do Conselho Nacional de Combate à Discriminação e Promoção dos Direitos de LGBT; a criação da Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República e as três edições do Programa Nacional dos Direitos Humanos, dentre inúmeros outros.

Ainda este ano está prevista a realização de três conferências nacionais: a 2ª edição da Conferência Nacional de Educação (CONAE), com o tema central “O PNE na Articulação do Sistema Nacional de Educação: Participação Popular, Cooperação Federativa e Regime de Colaboração”, que terá mais de quatro mil participantes em Brasília; a 3ª Conferência Nacional de Economia Solidária, com o tema “Construindo um Plano Nacional da Economia Solidária para promover o direito de produzir e viver de forma associativa e sustentável”; e a 4ª Conferência Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora, cujo tema será “Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora, Direito de Todos e Todas e Dever do Estado” (coordenada e organizada pelo Conselho Nacional de Saúde).

Todas apresentarão contribuições importantes para a sociedade e demonstram a efetividade da participação social no País. Importância e efetividade reconhecidas e premiadas internacionalmente em junho deste ano pela ONU, que concedeu o prestigiado United Nations Public Service Awards (UNPSA) ao Brasil, pelo “Fórum Interconselhos”, mecanismo criado para garantir a participação da sociedade na elaboração dos Planos Plurianuais, sob a articulação do Ministério do Planejamento e da Secretaria-Geral da Presidência da República.

As conferências e conselhos nacionais estão no cerne do debate atual sobre a Política Nacional de Participação Social, mas pouco se tem discutido acerca da articulação e da necessária relação de dependência entre eles.

Uma discussão que é fundamental, pois é um equívoco primário considerá-los instâncias autônomas uma em relação à outra, cabendo um profundo debate sobre o tema, tendo em consideração os avanços da democracia participativa no Brasil e a atual visibilidade que assumiu.

Clique para contribuir!

Nesta direção, acreditamos poder caminhar para o desenvolvimento de uma relação mais orgânica entre os conselhos e as conferências nacionais como base estrutural da PNPS. Nesta nova articulação, caberia às conferências nacionais – por serem instâncias mais amplas, participativas, inclusivas e democráticas – constituírem-se em espaço de formulação e deliberação no que tange aos conselhos nacionais, quanto à eleição de seus representantes, estrutura e funcionamento e planos de ação a serem desenvolvidos por um determinado período.

Assim, os conselhos nacionais, ao serem reflexo político e orgânico das conferências nacionais, legitimam-se como espaço representativo e qualificado na organização destas, além de atuarem na formulação e execução de políticas públicas, no controle social e no monitoramento das propostas aprovadas nos respectivos processos conferenciais.

Dentre os desafios ora em tela para aproximar os conselhos nacionais dos princípios da participação social estão:

– promover a interação, articulação e intersetorialidade como bases para uma relação institucional e mais qualificada entre os próprios conselhos, com outros mecanismos (sobretudo as conferências, mas também ouvidorias, mesas de diálogo, audiências públicas, etc.) e com o governo federal;

– estimular o debate nos conselhos nacionais sobre a necessidade de reformas políticas internas abordando temas como representação versus representatividade, inovações no processo de escolha de conselheiros (como por exemplo, a eleição de conselheiros na respectiva conferência nacional), rotatividade de entidades e de representantes na composição do conselho, coordenação e organização das respectivas conferências nacionais, bem como monitorar o acompanhamento das propostas aprovadas;

– responder aos desafios relacionados à formação política dos conselheiros, principalmente os da sociedade civil;

– assegurar a institucionalização dos conselhos e conferências, isonomizá-los quanto a estrutura e funcionamento, recursos, procedimentos administrativos, composição, entre outros;

– integrar todos os conselhos às novas tecnologias para que se valham de excelentes ferramentas disponíveis, indispensáveis para o diálogo com a sociedade na atualidade; promover uma campanha de “ocupação dos conselhos municipais”, fortalecendo a articulação e institucionalização entre conselhos nacionais, estaduais e municipais;

– valorizar as conferências como um PROCESSO e não como um evento nacional, estimulando maior participação da sociedade civil nas etapas preparatórias; e assumir a compreensão de que os processos participativos são investimentos e não custos.

A materialização da PNPS por meio das centenas de conferências e ouvidorias, de dezenas de conselhos nacionais e de inúmeras audiências e consultas públicas não significa que não tenhamos desafios a serem enfrentados e superados.

O fortalecimento e aperfeiçoamento de instâncias e mecanismos de participação são imprescindíveis para a implementação do Decreto 8.243.

As conferências nacionais estão entre as mais vivas e efetivas expressões da democracia participativa no Brasil e representam uma evolução do método de formulação e controle social de políticas públicas por parte da sociedade civil, pois requerem o diálogo com o poder público e assim demonstram o amadurecimento político e a solidez da nossa democracia.

000-107
C2150-533
VCP410
HD0-400
70-229
920-481
70-461
070-668
000-376
070-552-Csharp
HP0-S21
1Y0-256
HP2-K38
C2060-220
646-671
70-306
PW0-270
00M-647
HP2-B91
920-551
NS0-510
JN0-304
1Z0-460
A2040-917
JN0-633
E20-090
70-583J
70-595
70-599
70-620
70-620BIG5
70-621
70-622
70-622BIG5
70-623
70-624
70-625
70-626
70-630
70-630GB2312
70-631
70-632
70-633
70-634
70-635
70-638
70-639
70-640
70-640BIG5
70-642
70-642BIG5
70-643

C4040-252
MB5-705
70-410
C4040-250
70-461
200-120
70-486
810-401
70-483
70-417
640-554
70-488
MB2-704
70-480
70-346
1Z0-061
AWS-SysOps
C4040-251
HP0-S41
70-412
070-410
300-101
9L0-422
1Z0-060
70-411
CISSP
300-115
70-347
070-486
70-462
CCD-410
70-532
400-101
EX200
HP2-B115
70-467
70-534
070-461
220-802
SY0-401
220-801
MB2-708
070-488
C4040-252
70-410
200-120
C4040-250
70-486
70-461
MB5-705
70-488

MB3-700
MB3-701
MB3-859
MB3-860
MB3-861
MB3-862
MB4-198
MB4-211
MB4-212
MB4-213
MB4-217
MB4-218
MB4-219
MB4-348
MB4-349
MB4-534
MB4-535
MB4-536
MB4-640
MB4-641
MB4-643
MB4-873
MB4-874
MB5-198
MB5-199
MB5-229
MB5-292
MB5-294
MB5-504
MB5-537
MB5-538
MB5-554
MB5-625
MB5-626
MB5-627
MB5-629
mb5-700
MB5-705
MB5-845
MB5-854
MB5-855
MB5-856
MB5-857
MB5-858
MB6-202
MB6-203
MB6-204
MB6-205
MB6-206
MB6-282
MB6-283

Clique para contribuir!
Share

4 respostas to “Conferências nacionais: uma invenção brasileira que deu certo”

  1. Carlos Tramontina disse:

    Manuela,
    Assim você só demonstra sua ignorância… Que ditadura você está falando? No Brasil, no Uruguai ou na Bolívia? Ora, ora… Quando se perde eleição vira ditadura? São países democráticos e como tal reconhecidos pela OEA, ONU e quaisquer instituições internacionais.
    Bolivariana, o que é isso? Você sabe quem foi Bolívar, sua importância latino americana e sua relativa pouca importância brasileira? Na Colômbia todos sabem quem foi Bolívar, mas aqui no máximo a maioria pensará em alguma moeda de país vizinho.

  2. Manuela disse:

    Prezado Marcelo, o Decreto 8.243 ainda não foi aprovado pelo Congresso Nacional. Gostaria de notar que a participação popular é bem vista dentro de uma democracia. No entanto, na ditadura bolivariana atual, em que vivemos, essa prática se torna apenas mais uma manobra para o controle do poder. Tendo o MST, a CUT e todos os grupos aliados participando seria o suficiente para a aprovação das matérias propostas pelo governo.

  3. Luiz Carlos Bresser-Pereira disse:

    Artigo muito bom, sobre um tema importante, mas o autor deveria escrever um outro com exemplos de debates e talvez de decisões qua foram tomadas no nível de uma determinada conferência nacional.

    • Marcelo Pires Mendonça disse:

      Sinto-me honrado pela crítica do ilustre professor Bresser-Pereira. Quanto à sugestão de outro artigo, comunico está em construção… Obrigado.

Comentários