Brasil Debate

Brasil Debate

 
Cepal

Cai desigualdade de renda na AL entre 2002 e 2013

Entre 2002 e 2013, o índice de Gini médio da América Latina, que mede a desigualdade de renda, caiu aproximadamente 10%, indo de 0,542 para 0,486. A conclusão é de estudo da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) – Panorama Social de América Latina.

O gráfico abaixo mostra que a redução do índice de Gini no Brasil foi mais alta no período de 2008 a 2013 que de 2002 a 2008.

grafico indice de gini AL

Quanto à distribuição da renda em distintos grupos da população, entre 2008 e 2013 a participação dos 20% domicílios mais pobres aumentou na região, passando de 5,2% para 5,6%; durante o mesmo período na região, o quintil mais rico respondeu por menor porcentagem da renda, caindo de 48,4% da renda total para 46,7%, que mostra uma redução da desigualdade na região.

Clique para contribuir!

Os gráficos abaixo mostram os valores por países para os anos indicados.

grafico indice de gini AL2

No Brasil, os 20% mais pobres tinham uma participação de 4,1% da renda total em 2008, que subiu para 4,6% em 2013. Já os 20% mais ricos caem de 58% da renda para 53,6% no mesmo período, passando a relação entre a renda dos 20% mais ricos e os 20% mais pobres de 26,2 vezes para 21,3.

Apesar da queda muito significativa, entre os países latino-americanos analisados, o Brasil é o país com mais alta concentração de renda por parte do quintil mais rico, como mostra o gráfico acima. A desigualdade continua sendo um grave problema da região: apesar das melhorias recentes, os 20% mais ricos continuam com uma fração da renda total da região correspondente a 8,3 vezes o que corresponde aos 20% mais pobres.

Clique para contribuir!
Share

Comentários