Brasil Debate

Brasil Debate

Marcelo Zero

É sociólogo, especialista em Relações Internacionais e membro do Grupo de Reflexão sobre Relações Internacionais (GR-RI). É colunista do Brasil Debate

 
Marcelo Zero

Caçar Cervos

Caçar cervos, e não lebres, depende de cooperação mútua. No Brasil de hoje, a maioria saiu a caçar sua lebre, de olho na redução do risco individual, no horizonte do curto prazo. Nas o governo apostou alto, na união de forças e no País no longo prazo

Rousseau, no seu Discurso sobre a Desigualdade, se refere a uma história que se tornou referência na teoria dos jogos.

Dois homens decidem caçar. Há duas opções: caçar cervos ou caçar lebres. A caça ao cervo exige cooperação entre os dois, mas, em compensação, apresenta a possibilidade de uma grande recompensa. Já a caça à lebre pode ser feita individualmente, porém sua taxa de recompensa é baixa, pois a lebre é animal bem menor.

O que é melhor, pressupondo que ambos não têm certeza sobre o que o outro vai fazer?

Um caçador pode escolher caçar cervos, de olho na grande recompensa. Entretanto, se o outro caçador decidir caçar lebres, ele ficará sem nada, uma vez que a caça ao cervo exige cooperação. Já se a escolha do primeiro caçador for caçar lebres, a recompensa será bem menor, mas ele poderá obtê-la independentemente do que faça o outro caçador.

Assim, esse jogo tem dois “pontos Nash” (referência a John Nash, o grande matemático recentemente falecido) de equilíbrio. Se o pressuposto for o de que o outro caçador caçará cervos, é melhor caçar cervos também, já que a recompensa será bem maior que a de caçar lebres.

Contudo, ao se considerar que o outro caçador caçará lebres, será racional caçar lebres também, evitando o risco de ficar sem nada. No primeiro caso, o ponto de equilíbrio entre os dois se alcança pela maximização da recompensa para ambos. No segundo caso, o ponto de equilíbrio se dá pela minimização dos riscos de cada um.

Na eventualidade de escolhas distintas (o primeiro caçador caça cervos e o segundo lebres, ou vice-versa) não há ponto de equilíbrio, já que um terá uma pequena recompensa – a lebre- e o outro ficará sem nada.

Esse jogo pode ser útil na análise das perspectivas do ajuste fiscal proposto.

Num ambiente de tensão política e de incertezas econômicas, a tendência natural é de que agentes econômicos e os protagonistas políticos reduzam seus riscos de forma isolada.

No campo econômico, investidores cancelam ou postergam investimentos, bancos relutam em emprestar, ou o fazem a taxas maiores e com condicionalidades mais rígidas, e consumidores reduzem seus gastos.

No campo político, a cooperação se esfarela, as alianças se esgarçam, as unidades partidárias fraturam e a grande e única prioridade passa a ser a sobrevivência ou a maximização de vantagens individuais com o horizonte restrito das próximas eleições.

É o que acontece hoje no Brasil. A maioria saiu a caçar sua lebre, de olho na redução de seu risco individual, no horizonte do curto prazo.

Não o governo. O governo saiu a caçar cervo.

O governo podia ter optado por medidas graduais e pontuais. Podia ter evitado tomar decisões difíceis que têm o potencial de erodir sua base social de sustentação política. O governo tinha a opção de reduzir seus riscos e caçar lebres de curto prazo.

Preferiu, no entanto, o risco da caça ao cervo, pensando no País, com o horizonte de longo prazo.

E esse risco é alto.

Não é alto tanto por causa da economia. Na realidade, o Brasil de hoje está em condições econômicas bem melhores das que tínhamos, por exemplo, ao final do ciclo paleoliberal, em 2002. Nossa situação é também incomparavelmente melhor que a dos países europeus submetidos às exigências draconianas da Troika.

Há, é claro, a pior crise mundial desde 1929, que continua a impor restrições à recuperação de todos os países. Mas o risco maior não vem daí. O risco maior advém do clima político interno deteriorado.

Setores da base governista caçam a lebre dos seus interesses menores e fisiológicos e, ao mesmo tempo, evitam associar-se aos riscos e aos desgastes inerentes à caça ao cervo. Já a oposição caça a lebre do terceiro turno ou da “sangria” da presidenta. Seu sucesso depende, assim, do fracasso da caça ao cervo.

Clique para contribuir!

Isso cria um problemão.

Ao contrário do que se possa pensar, o objetivo maior dos ajustes econômicos não se refere ao simples equilíbrio das contas públicas. Não basta melhorar os números. Não basta transformar números negativos em números positivos.

Na realidade, o objetivo maior dos ajustes, e o ponto decisivo para seu sucesso, é a transformação das expectativas pessimistas em expectativas otimistas. É a mutação do equilíbrio da redução do risco para o equilíbrio da maximização da recompensa.

Para que um investidor decida investir, é preciso que ele acredite que outros investidores também farão a mesma coisa. Para que um banco decida emprestar, é necessário que ele acredite que os outros bancos também emprestarão.

Como no jogo descrito, os agentes assumirão riscos e caçarão cervos quando acreditarem que os outros também o farão.

Pois bem, a história dos ajustes mostra que essa reversão das expectativas ocorre com muito mais facilidade em ambientes políticos pactuados e cooperativos.

Isso não significa comportamento acrítico. Ao contrário, significa capacidade de, num debate transparente e democrático, encontrar pontos de equilíbrio político que induzam à reversão das expectativas econômicas.

Tal situação possibilita a realização de ajustes transparentes, equilibrados e flexíveis, com reversão mais rápida das expectativas econômicas e com sacrifício bem menor da população. Em outras palavras, as forças políticas envolvidas no ajuste precisam demonstrar grande capacidade de negociação e agregação.

Mas é preciso que as forças políticas envolvidas tenham também a capacidade de projetar futuro.

Ajuste, para as forças progressistas, é somente meio, como ficou explícito na famosa Carta ao Povo Brasileiro, de Lula, em 2002. Meio para alcançar a finalidade maior do desenvolvimento com distribuição de renda, extinção da pobreza e redução das desigualdades. Instrumento para caçar o cervo do país desenvolvido para todos. Só assim o ajuste torna-se suportável e justificado.

Essa capacidade de projetar o futuro, o pós-ajuste, só poderá vir da união de todas as forças que estiveram ou estão realmente empenhadas na construção de um novo país. O Brasil de todos, por todos e para todos. O Brasil que não aceita voltar atrás.

A oposição mais conservadora não tem capacidade de projetar futuro. Ela caça a sua lebre raquítica olhando pelo retrovisor. Só tem a oferecer o passado do fracassado paleoliberalismo. Nos casos mais extremos, oferece também os fantasmas da ditadura, do ódio e da intolerância. Cozinha ressentimentos nas estridentes panelas do culto à exclusão. Se voltar ao poder, entronizará o ajuste como finalidade e modelo.

A aposta que o governo, o PT e demais forças progressistas estão fazendo é alta. Os riscos, neste ambiente político, são significativos e geram, em muitos casos, insegurança e perplexidade. Mas é uma aposta que vale a pena.

Se bem conduzido, no marco de uma estratégia clara para a retomada do crescimento, a grande recompensa do reequilíbrio das contas públicas deverá ser um novo e sólido ciclo de desenvolvimento.

Assim, é necessário resistir à fácil tentação de caçar lebres e arriscar caçar cervos.

Só chegamos até aqui com muita ousadia. E a maior parte da população, que saiu recentemente da tirania de um passado de miséria, fome e exclusão, quer mais, muito mais. O povo do Brasil também está disposto a apostar alto em seu próprio futuro. Ele não se contenta mais com as lebres magras do passado.

O novo Brasil caça cervos.

 

Crédito da foto da página inicial: FNF/Creative Commons

Clique para contribuir!
Share

2 respostas to “Caçar Cervos”

  1. Carlos Tramontina disse:

    Os seus artigos são sempre interessantes.
    Este é uma exceção, seja por pretensioso, seja por colocar os desejos por cima da realidade. Não há nada até agora que mostre que o Brasil esteja caçando cervos em 2015…

  2. Carlos disse:

    Prezado Senhor,

    Sua análise é parcial e, infelizmente, tenta justificar as medidas como o melhor caminho a ser seguido, mas esquece-se de enaltecer que os ganhos conseguidos pelos mais pobres só foram possíveis p.q. o Lula assumiu o país com uma economia estabilizada e com a alta inflação (o mais perverso tributo para os mais pobres) sob controle.

    Outrossim, não faz nenhuma referência à máquina que o governo do PT (c/ 39 ministérios e dezenas de milhares de cargos comissionados) criou e que custa bilhões para a sociedade, bilhões esse que deveriam estar aplicados na melhoria da educação, saúde, etc. ATÉ AGORA, VEMOS ATÔNITOS, UM GOVERNO QUE SE CALA QUANTO ESSE ESCALABRO e nada faz para mudar esse “status quo”!

    Sintetizando, sua abordagem é semelhante àquele homem que tem dois olhos, mas faz questão de enxergar apenas com um deles!!!

    Cordialmente,
    Carlos

Comentários