Brasil Debate

Brasil Debate

Tadeu Porto

Engenheiro eletricista e mestre em Engenharia Elétrica pelo Cefet-MG, é petroleiro e diretor do departamento de formação do sindipetroNF. É colunista do Brasil Debate

 
Tadeu Porto

Aeroporto de Cláudio: uma obra privada com dinheiro público?

Obra em Minas está longe de ser “transparente”, como disse Aécio. Não é fácil o acesso a documentos, mas alguns estudos técnicos achados na internet mostram que aeroportos considerados mais prioritários, como o de Sete Lagoas e Itabira, cidades de maior importância industrial, foram preteridos

Desde que as denúncias sobre o aeroporto da cidade de Cláudio apareceram, o candidato a presidente Aécio Neves, por diversas vezes, se defendeu afirmando que a obra foi feita “não só dentro da legalidade, mas também com transparência e ética”.

No entanto, a análise dos estudos técnicos sobre o aeroporto demonstram que a obra foi realizada de maneira, no mínimo, antiética. Ademais, não obstante o assunto moral, a declaração também chama bastante atenção por falar em “transparência”.

Transparência passa a ideia de exatidão e, principalmente, de acesso fácil aos documentos que podem explicar a obra (i.e. custos, metas, justificativas). Isso traz certa motivação para tentar destrinchar todo o planejamento sobre o aeroporto, que foi feito na tutela do Programa Aeroportuário de Minas Gerais (PROAERO).

Não é fácil achar tais documentos na Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas de Minas (SETOP-MG). Nem mesmo o PSDB os disponibilizou, o que causa certa desconfiança, já que essa “transparência” ajudaria a explicar o que está obscuro até hoje.

Todavia, graças à internet, é possível analisar três estudos sobre o PROAERO apresentados em eventos aparentemente acadêmicos. São eles: “Programa Aeroportuário de Minas Gerais”, no VII SITRAER – 2008 [1]; “Readequação da Malha Aeroviária”; “1ª Seminário Nacional de Logística e 10º Seminário de Transporte” – 2010 [2] e“Perspectivas para a política aeroportuária no Estado de Minas Gerais: inovação e redesenho das ações frente ao novo cenário de descentralização, delegação e concessão de aeródromos públicos da união“, no V CONSAD – 2012 [3].

A leitura dos três textos (encoraja-se, aqui, os leitores a fazerem o mesmo) leva às seguintes conclusões principais:

O aeroporto foi considerado irrelevante inclusive no PROAERO: Nos textos [1] e [2] constata-se que a obra de Cláudio não é considerada relevante para a região. Exemplo disso são as figuras A e B que mostram o antes e o “depois” da malha aeroviária mineira. A dúvida aqui é: por que Cláudio, um pólo de metalurgia da América Latina, ficou de fora dos desenhos da malha aeroviária futura? Aliás, nota-se que o aeroporto da região de Lagoa da Prata – que foi descartado pela SETOP em 2012– estava nos planos anteriores do PROAERO. Como explicar abrir mão de um pelo outro?

mapa area de influencia aeroportos MG

mapa area de influencia aeroportos MG1

O valor foi mal calculado: Observa-se, ainda, que os preços envolvidos no planejamento parecem não coincidir com o desembolsado pelo Estado de Minas. Pela tabela 7 de [1] – figura C – nota-se que o valor estimado para obras em aeroportos seria de, aproximadamente, R$ 64.000.000,00. Um cálculo rápido demonstra que Cláudio levou, só com obras (R$ 14.000.000,00 – sem contar a desapropriação), cerca de 22% desse valor. Ressalta-se, também, que cidades mais importantes como Itabira e Ouro Preto ficaram de fora e não possuem aeroportos até hoje.

tabela aeroportos programados

Clique para contribuir!

O planejamento foi atropelado em prol da construção do aeroporto: Verifica-se em [1] que os aeroportos de Sete Lagoas e Chapada Gaúcha deveriam ficar prontos em 2009 e isso não ocorreu (até hoje). O aeroporto de Cláudio, entretanto, era previsto para 2010 e foi feito no prazo! Detalhe para a importância industrial e regional das cidades deixadas de lado: Sete Lagoas tem o PIB 15vezes maior que o de Cláudio enquanto Chapada Gaúcha fica numa região com fraquíssima malha aeroviária. A estratégia óbvia seria concluir primeiro os de 2009 para depois seguir para os de 2010;

Se não tivesse sido feito como prioridade, Cláudio não sairia do papel: Pela reformulação do PROAERO em 2010, visto em [2] e [3], a cidade de Cláudio estaria dentro do raio de Divinópolis (100km) e, portanto, não teria necessidade da realização do aeroporto.

Argumento comparativo: Será mesmo que Cláudio merece um aeroporto e Itabira não?

Itabira, como se vê em [1], poderia ter sido uma cidade igualmente contemplada pelo PROAERO em 2010. Por ser uma a cidade que abriga a Vale, é muito (mas muito mesmo) difícil que Cláudio tenha qualquer importância geopolítica maior que ela! Fica então a pergunta: por que então foi escolhida em detrimento da terra de Drummond?

1. Seria o PIB? Itabira tem o PIB aproximadamente 14 vezes maior que o de Cláudio. São quase 4,8 bilhões de reais contra 340 mil.

2. Seria o aeroporto local? Na região de Itabira não existe aeroporto com a proximidade estabelecida pelo PROAERO, uma vez que Ipatinga fica a 111 km da cidade (o dobro da distância Divinópolis-Cláudio). Ademais, o leste mineiro carece de uma boa malha aeroviária. Um aeroporto em Itabira, segundo a própria SETOP, beneficiaria São Gonçalo do Rio Abaixo, que tem quase R$ 2,8 bilhões de PIB. Sem falar nas cidades de Barão de Cocais e João Molevade, todas relevantes para a indústria mineira.

3. Seria a população? Itabira tem a população estimada (para 2013 segundo o IBGE) quatro vezes maior que a de Cláudio. Sem falar no turismo itabirano que, certamente, é bem superior.

4. Seria o valor? Um Aeroporto no Ceará foi construído por R$ 19 milhões e tem uma boa infraestrutura. Será que com 14 milhões não daria para fazer um bom aeroporto? Se não, como foram calculados os valores pelo SETOP?

Depois de ler os estudos técnicos de planejamentos e algumas notícias, infere-se claramente que o aeroporto de Cláudio é hoje um benefício privado, construído com dinheiro público.

Observa-se que cidades muito mais tradicionais social e economicamente não tiveram o mesmo privilégio que da cidade que abriga o “Palácio de Versailles” do ex- governador mineiro. Aécio tem muito o que explicar, pois, considerando o que está disponível para análise, conclui-se que Cláudio está longe de merecer um aeroporto na velocidade e nos moldes do que foi feito.

Clique para contribuir!
Share

8 respostas to “Aeroporto de Cláudio: uma obra privada com dinheiro público?”

  1. João Gilberto Moreire disse:

    Excelente estudo! Muito esclarecedor.O que me deixar surpreso e, ao mesmo tempo irritado, é o TSE na pessoa do Excelentíssimo Sr. Dias Toffoli, tomar uma decisão para Dilma não mencionar este assunto em seus programas eleitorais. O TSE está a serviço de quem? Pelo que sei o TSE deve estar a serviço da sociedade e não a favor da coisa particular em detrimento da coisa pública.Pode até ser legal a construção do Aeroporto de Claudio. Mais é IMORAL. Por que blindar o Sr. Aécio neves das denúncias? Infelizmente o nosso Poder judiciário é um vergonha!!! – See more at: http://brasildebate.com.br/aeroporto-de-claudio-uma-obra-privada-com-dinheiro-publico/#comment-1958

  2. olimpia disse:

    AECIO NEVES JA SE EXPLICOU E PROVOU QUE O TERRENO DO AEROPORTO DE MINAS FOI DESAPROPRIADO PARA A CONSTRUÇÃO ABESTADO CLAUDIO TRAMONTINA…PORTANTO DESAPROPRIADO NÃO É MAIS DO DONO E SIM DO GOVERNO…PAREM DE QUERER ELAMEAR O NOME DE AECIO PARA REBAIXA-LO A DILMA ESTA QUADRILHEIRA SAFADA…NÃO DO PSDB E NEM FILIADA A PARTIDO ALGUM, MAS SOU AECIO 45 E VAMOS LÁ E SENTE PARA AGUARDAR A VITÓRIA QUE SERÁ DELE E DOS BRASILEIROS…FORA DILMA E LULARÁPIO E TODA A SUA CORJA O LUGAR DE VOCES É NA PAPUDA. E TENHO DITO!!!

    • Tadeu Porto Tadeu Porto disse:

      Olimpia,

      O artigo foi feito para debater de maneira embasada o que ocorreu em Cláudio…
      Aécio só explicou uma ponta desse iceberg, mas tem mto ainda a se manifestar sobre o ocorrido caso queria tirar a impressão de que fez um aeroporto para beneficiar a família!

      Não tem lógica uma cidade como Cláudio, com poucos habitantes e PIB baixo receber um aeroporto (ainda mais com Divinópolis a 55km). Nem os estudos que encontramos consegue justificar a obra… Se quiser ler e voltar ao debate, fique a vontade!

      Só peço que não ofenda aos seus colegas de comentários! O Cláudio fez uma ótima contribuição aqui no site e merece mais respeito, ok?!

      No mais, abraços! 🙂

  3. Will disse:

    Muito interessante sua análise. Realmente, ela está bem completa e verdadeira. Não sei como as pessoas acreditam ainda neste Sr. Aécio.
    Só não vê quem não quer.
    Esse Aeroporto não tinha motivo de ser e já está comprovado até pela Globo, que é a favor de Aécio e favorece as elites, que está em processo administrativo em relação ao mau uso do dinheiro público.
    Ele em cada debate mente mais….depois estuda mais um pouco e tenta reverter a situação, mas todos nós sabemos que a postura pessoal, caráter e ética são atributos mínimos para ser um Bom Presidente.

  4. Claudio Louzada disse:

    Esqueçam o aeroporto de Cláudio e os 800 aeroportos regionais que Dilma prometeu. Ela vai financiar o aeroporto de Havana, por U$360 milhões, algo entorno de R$ 796 milhões de Reais!

    No final de 2012, em Paris, Dilma Rousseff disse que o governo pretendia criar cerca de 800 aeroportos regionais no país. Segundo ela, pelo projeto, cada cidade com até 100 mil habitantes deveria ter um aeroporto a, no máximo, 60 quilômetros de distância. “É uma necessidade também importante para o crescimento do país”. Nunca mais falou nisso.

    Agora ficamos sabendo que a Odebrecht vai receber U$ 360 milhões para reformar o aeroporto de Havana, em Cuba. Isso além dos R$ 1,6 bilhão que embolsou para construir o Porto de Mariel, também em Cuba!

    • Carlos Tramontina disse:

      Como fica clara sua oposição preconceituosa e ignorante…

      Então a construção de um aeroporto em terras da família com dinheiro público é o mesmo que financiamento para empresas privadas no exterior?

      Estes financiamentos feitos à empresas brasileiras com atuação no Chile, Cuba ou Colômbia visa alavancar a participação nacional em outros mercados e serão todos devolvidos, como qualquer financiamento.

      Já o aeroporto de Claudio…

  5. marcelo disse:

    Resta saber quais vôos foram feitos desde a construção, quantos passageiros utilizaram o terminal, quanto foi recolhido de impostos e taxas, como ele é mantido.

Comentários