Para o autor, a “trégua” dada nos últimos dias a Dilma se deve à percepção por parte dos “donos do poder” de que contamos com movimentos sociais fortes e que estes, com certeza, tomariam as ruas e não aceitariam um governo golpista.
" />

Brasil Debate

Brasil Debate

Marcelo Manzano

É economista, professor de economia da Facamp (Faculdades de Campinas) e pós-doutorando do programa de Desenvolvimento Econômico no Instituto de Economia da Unicamp

 
Marcelo Manzano

A República das Margaridas

Os movimentos sociais, mais do que os partidos ou as instituições do poder formal, hoje servem de lastro à manutenção da cidadania e dos valores democráticos inscritos na Constituição de 1988

Depois de tocar o fundo do poço, a presidenta Dilma parece que resistirá no cargo. Subitamente, num espaço de poucos dias, os líderes da conspiração golpista se deram conta do estrago que provocariam no país caso se efetivasse o golpe.

Aos 45 do segundo tempo perceberam que a queda de Dilma esgarçaria de vez o tecido institucional do país e a convulsão social jogaria a nação numa crise econômica disruptiva que, em última instância, lhes alcançaria os bolsos.

E quem foi que pôs o guizo no gato?

Por certo, não foi por zelo democrático, espírito republicano ou lustro ético que os donos do poder resolveram retroceder no golpismo. O que lhes impediu de cruzar a linha de giz foi a percepção de que os movimentos sociais tomariam as ruas e não aceitariam a ascensão de um governo golpista a esta quadra de nossa história.

Seria, portanto, equivocado e injusto atribuir a figuras como Renan, Temer e muito menos aos irmãos Marinho o mérito de terem colocado o pé na porta e evitado o conluio que já ocupava a antessala do gabinete da presidenta. Menos tolos do que os do PSDB, eles apenas reagiram a tempo de evitar o pior e quem sabe ainda garantir uma posição melhor no tabuleiro quando o jogo recomeçar.

Diante do que assistimos nos últimos dias, mais do que nunca fica demonstrado o quão importante é a força e a densidade dos movimentos sociais na cena política brasileira.

São eles, mais do que os partidos ou as instituições do poder formal, que hoje servem de lastro concreto à manutenção da cidadania e dos valores democráticos que foram inscritos na Constituição de 1988.

A muitos de nós foi assustador assistir o judiciário, o legislativo e o executivo se dissolverem na correnteza mal cheirosa da campanha de desestabilização política que foi posta em prática nos últimos meses. Nada parecia parar em pé.

Até que as Margaridas, com indelével legitimidade, vieram nos redimir.

Num país com o abismo social como o Brasil, a legitimidade dos movimentos sociais compostos por mulheres e homens batalhadores decorre, entre outras coisas, do fato de que, em última instância, são eles que têm a vida esfacelada quando os habitantes da casa grande se dão ao luxo de atropelar as regras que não mais lhes convém.

Na condição de economia periférica, com elites historicamente subordinadas a interesses externos, estamos sempre triscando o enredo de “república bananeira”. E, se pelo menos desta feita o desfecho bananeiro foi evitado, foi pela presença das Margaridas e tantos outros movimentos similares que permaneceram na retaguarda.

Contamos com movimentos sociais fortes. Este é, precisamente, um diferencial importante do Brasil em relação à enorme maioria dos países.

A “trégua”, ofertada a Dilma pelos carcarás de sempre, não deveria, contudo, levar a presidenta a conceder ainda mais em seu governo. Dilma, que já estava em dívida com aqueles que votaram nela em outubro de 2014, agora é duplamente devedora dessa pequena, porém, valorosa parcela de seus eleitores que se organizam em meio às dificuldades e agruras da vida e ainda encontram forças para enfrentar de peito aberto os charlatães do andar de cima.

Crédito da foto da página inicial: EBC

640-554
C4040-251
70-412
70-461
70-534
70-346
HP2-B115
HP0-S41
70-486
70-410
98-375
AWS-SysOps
117-101
CCD-410
70-480
300-101
250-513
CISSP
300-115
CCD-410
C4040-250
300-101
220-802
HP0-S41
HP2-B115
HP0-S41
C4040-252
74-138
640-554
70-417
070-461
PMI-001
CCD-410
648-232
70-347
70-413
70-346
AWS-SysOps
70-346
AWS-SysOps
1Z0-061
70-347
70-411
C4040-252
70-347
70-410
070-410
70-480
CCD-410
C4040-252
74-135
9L0-422
HP2-B115
1Z0-061
MB5-705
C4040-251
70-483
70-461
070-486
70-411
70-488
HP0-S41
MB5-705
70-410
74-134
646-976
070-410
70-412
810-401
C4040-251
74-135
HP0-S41
646-656
1Z0-060
646-967
C4040-252
300-101
640-554
C4040-251
70-534
70-488
070-461
810-401
70-486
70-461
70-417
70-486
9L0-422
AWS-SysOps
70-417
300-115
SY0-401
070-486
1Z0-060
1z0-052
70-462
70-483
300-101
CISSP
70-534
EX200
70-532
70-488
070-410
74-133
1Z0-060
AWS-SysOps
MB2-704
200-120
MB5-705
70-467
70-412
9L0-422
C4040-250
MB2-704
70-417
640-554
70-462
220-802
200-120
70-532
70-480
70-488
070-486
1Z0-060
070-486
1z0-047
646-589
642-035
70-417
74-132
C4040-250
C4040-251
642-832
C4040-251
117-101
EX200
1Z0-061
70-410
300-115
70-412
1Z0-061
70-411
70-346
400-101
70-412
1Z0-060
70-347
70-411
70-461
sy0-401
220-801
400-101
117-101
646-671
1Z0-061
200-120
646-653
70-480
C4040-251
300-101
300-115
MB2-704
C4040-250
640-554
1Z0-060
MB5-705
646-590
70-462
CISSP
70-346
70-247
MB2-704
646-985
C4040-252
642-732
70-467
200-120


 

Clique para contribuir!

3 respostas to “A República das Margaridas”

  1. Lúci disse:

    os movimentos sociais “estão fortes”, mas o que de fato foi feito em doze anos por essas pessoas, se poderia fazer muito mais em doze anos não fosse o dreno para outros países?

    se nosso abismo social é imenso então deveria ter recebido atenção redobrada e ter se investido o devido para suprir as necessidades das populações carentes, principalmente, saúde, educação, transporte de massa adequado, etc.

    nossos metrôs estão além das fronteiras e o custo de falta de transporte coletivo, congestionamento, poluição, estresse, é danoso no cotidiano das nossas grandes cidades.

    ao que parece, continua uma massa ignorante sendo levada para onde o partido quer ao preço de migalhas.

    por que não veio a educação, cuja esperança valeu o voto de muitos de nós que acreditamos estar elegendo enfim uma candidatura que iria planejar o país e efetivamente erradicar a pobreza e não apenas mimetiza-la e alardear mentiras a custo de 2.3 milhões em propaganda?

    por que assaltaram os fundos de pensão do contribuinte?
    por que querem se esquivar de serem questionados sobre responsabilidades?
    por que estão forjando alianças com quem está comprometido em ações ilícitas como políticos do pmdb?
    o pt se corrompeu só quando fez essa aliança? esse foi o preço da aliança?

    de que adianta atacar quem não coaduna com os intentos do partido com dizeres de golpe e desestabilização se fomos os causadores de um desastre que já se visualiza com uma direção mal conduzida, péssimos ministros e excessivos cargos e ministérios?

  2. Lúcio disse:

    as manifestações, onde está a massiva participação do contribuinte do tesouro nacional, não esquecendo que a estatística é apenas uma estimativa e que a insatisfação real está sob os tetos, não pode ser confundida ou tampouco reduzida a número de grupos políticos tradicionalmente corruptos, cooptados ou não pelo partido do governo.
    não querer enxergar a insatisfação de quem não quer aproximação com políticos é um erro sem volta.

  3. carlos paulo disse:

    Boa Marcelo, muito boa!!!!
    Carlos Paulo.

Comentários