Relacionado
" />

Brasil Debate

Brasil Debate

 
Marco Aurélio Garcia

A política externa na visão dos doutos

Das universidades, com razão, espera-se saber, nunca má-fé, salvo quando o espírito é turvado por grave distorção ideológica

Publicado em Carta Maior em 29-09-2014

Por Marco Aurélio Garcia

marco aurelio foto- carta maior1

Uma penalista, abrigada sob as Arcadas do Largo São Francisco, disparou um ataque à Presidenta Dilma Rousseff, utilizando-se de metáfora médica para caracterizar o atual Governo como um“câncer”. Seu libelo, entre o patético e o ridículo, repete a tradição do conservadorismo de buscar associar fenômenos sociais a fatores biológicos.O texto prima, no entanto, pela irrelevância e fará sua autora despontar para o anonimato.

Também das Arcadas vem outro míssil, cuja potência faz lembrar os busca-pés das festas juninas. Um Professor-Titular (é assim que ele assina sua carta ao Estadão) critica a “preferência” da Presidenta Dilma pelo Diálogo com o Estado Islâmico (E.I) e sugere que seu Assessor Especial seja enviado ao Oriente a fim de negociar.

O argumento e a sugestão não são originais. Antes do nosso Professor-Titular, outro professor – esse geógrafo e “cristão novo” do conservadorismo – havia desenvolvido seus argumentos e concluído que eu seria um embaixador ideal junto ao E.I. Comovido com a dupla lembrança, agradeço, mas declino a sugestão. E isso por uma razão básica – não houve no discurso ou nas entrevistas de Dilma Rousseff em Nova York nenhuma proposta – sequer sugestão – de negociação com os terroristas islâmicos. Ao contrário.

O que a Presidenta afirmou, em estrita sintonia com a tradição diplomática brasileira, foi que o uso da força, unilateral e sem autorização do Conselho de Segurança, não só fere o Direito Internacional como é um erro de proporções gigantescas. Para tanto, lembrou exemplos recentes que, sob o pretexto de combater o terrorismo, produziram efeitos diametralmente opostos. Sem falar nos “danos colaterais”, isto é, a morte de civis, crianças incluídas. Lembremos que, contra o “perigo do fundamentalismo” iraniano, Saddam Hussein foi armado, para ser, anos depois, combatido pelos que o haviam incitado a lutar contra o “Satã”. Ao ditador iraquiano ocorreu-lhe ir mais além da invasão (frustrada) do Irã e tentar ocupar o Kwait. Má ideia.

As duas Guerras do Iraque – sobretudo a segunda – tiveram como consequência o esquartejamento daquele Estado e, no longo prazo, o nascimento do Estado Islâmico. Agora, trata-se de destruir essa aberração, filha de uma política errática, que substituiu a diplomacia pela ação militar. As consequências são previsíveis.

Na Líbia, para citar outro exemplo, a ação da OTAN, que foi limitada formalmente pelo Conselho de Segurança à necessidade de criar uma “zona de exclusão aérea”, transformou-se em um movimento de derrubada do Governo local. O Governo Kadafi foi derrubado e o caos se instalou no país. Mais que isso, grupos fundamentalistas, valendo-se do armamento fornecido pela OTAN, migraram para o Sahel e desestabilizaram essa parte da África.

Os exemplos se multiplicam, sempre com consequências desastrosas.

Por que doutos acadêmicos desconhecem essa história, da mesma forma que uns poucos ex-diplomatas, que estão hoje se posicionando para um eventual governo de oposição? Não será por deficiência intelectual, mas, seguramente, por aquilo que tratam de, equivocadamente, atribuir à atual política externa do Brasil – viés ideológico.

O Professor-Titular é viúvo da integração assimétrica. Dele é a frase lapidar: “A ALCA pode viver sem o Brasil e o MERCOSUL. Mas será que o Brasil e o MERCOSUL podem viver sem a ALCA?”

Podem, digo eu. E felizmente, porque com a ALCA o Brasil não teria strictu sensu política externa e o MERCOSUL seria, como querem alguns, apenas um lembrança histórica.

O trêfego geógrafo usa os instrumentos analíticos que estão na sua mochila de ex-esquerdista para habilitar-se como analista aceito pela mídia tradicional. As classes dominantes adoram esse tipo de gente.

Já a penalista, bem. Talvez não tenha encontrado no seu receituário bioético argumentos para analisar a presença do Brasil no mundo.

Sei que é difícil aceitar a Grande Transformação em curso no Brasil. Não é fácil no plano interno. Menos ainda no plano externo. A herança diplomática que reivindicamos não é a de Juracy Magalhães ou João Neves da Fontoura, mas a do Barão de Rio Branco, de San Tiago Dantas, Afonso Arinos e Araújo Castro.

Da mesma forma que das Arcadas vêm não só o velho udenismo, mas o progressismo que professores e estudantes encarnaram no passado e até hoje encarnam.

Crédito da foto da página inicial: Carta Maior

Clique para contribuir!

Comentários