A autora discute o diagnóstico de candidatos de oposição e alguns analistas do mercado de que o baixo crescimento do investimento e do PIB podem ser atribuídos a uma crise de confiança do setor privado na política econômica do governo.
" />

Brasil Debate

Brasil Debate

Laura Carvalho

É doutora em economia pela New School for Social Research em Nova York e professora doutora do Departamento de Economia da FEA-USP

 
Laura Carvalho

A mística das expectativas e a retomada do investimento privado

No Brasil, assim como no resto do mundo, o investimento privado parece, sim, responder a expectativas – a expectativas de demanda. Que não podem ser atendidas, como defendem candidatos de oposição, apenas com uma melhor gestão das contas públicas combinada a uma política monetária focada no controle da inflação

Para os candidatos da oposição e alguns analistas do mercado financeiro, o baixo crescimento do investimento e do PIB nos últimos anos podem ser atribuídos a uma crise de expectativas do setor privado, que estaria vivendo uma era de fortes incertezas quanto à política econômica do governo e suas repercussões sobre a economia.

Exemplificando, em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, em 26/01/14, Aécio Neves argumentou que o governo “perdeu a capacidade de gerar expectativas positivas” no mercado. Poucos dias antes de sua trágica morte, em declaração ao Estado de S. Paulo, em 05/08/14, o candidato Eduardo Campos havia afirmado que “a economia não é ciência exata, tem a ver com expectativas [que] só têm piorado pela má governança e falta de confiança dos agentes econômicos no futuro do país”.

A fala de Campos é representativa de uma parcela importante da oposição, assim como a de Aécio. A partir de tal diagnóstico, seus partidos e aliados vêm defendendo que uma melhor gestão das contas públicas, quando combinada a uma política monetária orientada exclusivamente para o controle da inflação, seria suficiente para restaurar a confiança dos investidores e o crescimento econômico.

Em bom português, uma política de contração fiscal seria expansionista em última instância, já que ativaria as tais expectativas do setor privado, permitindo, assim, uma volta ao tão desejado cenário de baixa inflação e alto crescimento.

O discurso da “contração fiscal expansionista” pela restauração da confiança dos investidores não é original do Brasil e dos presidenciáveis. Este raciocínio foi promovido, por exemplo, pelo ministro da Fazenda alemão Wolfgang Schäuble, quando da defesa da austeridade como solução para a crise europeia.

Ao contrário do que previu ele, no entanto, as políticas de contração de gastos públicos nesses países apenas acentuaram o problema de falta de demanda, minando qualquer perspectiva de retomada do investimento privado.

O fraco nível de atividade econômica, por sua vez, explica a baixa arrecadação tributária verificada nos períodos seguintes, o que tornou ainda mais difícil o controle das contas públicas e completou o ciclo vicioso que ainda paira sobre a maior parte dos países europeus.

A lição que deve ser tirada de tais evidências é de que no Brasil, assim como no resto do mundo, o investimento privado parece sim responder a expectativas – a expectativas de demanda. Como indicam as frequentes declarações dos empresários da indústria nacional, não há razão para investir e aumentar a capacidade produtiva quando as plantas industriais já existentes estão subutilizadas e os estoques se acumulam.

De fato, os dados brasileiros mostram que mesmo com a alta penetração das importações que caracterizou a última década, que era fruto sobretudo do câmbio sobrevalorizado, o investimento cresceu sempre que o mercado interno se expandiu.

No acumulado entre 2005 e 2013, o investimento cresceu 89% em termos reais, período este em que consumo cresceu 61%. Por outro lado, os anos em que o investimento parou ou retrocedeu foram os mesmos em que o consumo desacelerou, já que este último e a consequente piora no desempenho do varejo sinalizam para os empresários um enfraquecimento da demanda.

Nesse contexto, a inflação mais alta prejudica sim a retomada do investimento, mas não pela existência do que Paul Krugman apelidou da “fadinha da confiança”, ou confidence fairy em inglês, e sim por contribuir para uma piora do poder de compra dos trabalhadores e, assim, para uma desaceleração do consumo e da expansão do mercado interno.

Uma política de contração fiscal e repressão dos salários, por outro lado, poderia nos levar, na melhor das hipóteses, para um cenário de baixa inflação e baixo crescimento. Isto porque o benefício para a demanda de se controlar a inflação seria eliminado, nesse caso, pelo baixo crescimento dos salários nominais e a redução dos investimentos e demais gastos públicos.

Na pior das hipóteses, no entanto, esta opção nos levaria de volta para o baixo crescimento e a inflação ainda mais alta que caracterizaram a segunda metade da década de 1990.

A via para a volta ao equilíbrio da baixa inflação e do alto crescimento felizmente não requer toques de mágica. Passada a pressão – de caráter temporário – que as desvalorizações cambiais desde 2012 exerceram sobre os custos dos importados e que vem sendo repassada aos preços em geral, a retomada do investimento privado passa a depender da volta do dinamismo da demanda nos mercados interno e externo.

No âmbito externo, ao mesmo tempo em que a crise argentina tende a prejudicar no curto prazo as exportações de alguns de nossos produtos industriais, em especial da indústria automobilística, a economia norte-americana apresenta sinais cada vez mais fortes de recuperação.

No âmbito interno, além da inflação mais baixa já mencionada, a volta do dinamismo da demanda exige basicamente: (1) a manutenção das políticas de transferência de renda e da regra que garante o crescimento real do salário mínimo, ambas essenciais para o crescimento do consumo, e (2) a ampliação dos programas de investimento público e de concessões na área de infraestrutura.

Tais melhorias na infraestrutura, além de garantir injeções diretas de demanda, também contribuem para reduzir os custos de produção e restaurar a produtividade da indústria, contornando assim o conflito entre elevar salários e ganhar competitividade.

Por fim, tanto o dinamismo do mercado interno, quanto a recuperação do mercado externo, poderão ser melhor aproveitados pela indústria nacional ao nível atual de taxa de câmbio real, que já está em patamar mais competitivo do que o que vigorou durante a segunda metade da década de 2000.

Clique para contribuir!

8 respostas to “A mística das expectativas e a retomada do investimento privado”

  1. […] o excelente artigo de Laura Carvalho, “A mística das expectativas e a retomada do investimento privado” no site Brasil Debate, […]

  2. […] Ver o excelente artigo de Laura Carvalho, “A mística das expectativas e a retomada do investimento privado” no site Brasil Debate, […]

  3. inaldo disse:

    Bom artigo.

    Inaldo

  4. Sergio Miranda Gomes disse:

    Brilhante Doutora Laura, Parabéns!

    Esse vetusto receituário neoliberal de “arrocho” “contração” fiscal etc. etc. de muito está superado.

    Penso que o problema de demanda, se interna, esta relacionado com o baixo poder aquisitivo da população, portanto, se não tem poder de compra, não tem consumo. Logo “arrocho” não nos parece adequado ao cenário.

    Destarte, O caminho é o fortalecimento do mercado interno, com ganhos reais para o salario mínimo, com politicas de emprego, distribuição de renda e inclusão social, com investimentos em infraestrutura, principalmente em habitação popular, saneamento básico e educação.

    obviamente, sempre em observância as boas praticas de gestão.

    Sds,

    Sergio Miranda

  5. Gustavo disse:

    Laura,

    Parabéns pelo artigo!

    Concordo que o argumento de contraçao fiscal expansionista é falho. As evidencias sobre o tema nao deixam dúvida.

    Meu ponto, contudo, é outro.

    Da forma como vejo as coisas, a economia brasileira nao tem problemas de demanda. Nosso problema é a restriçao de oferta ou, em outros termos, de excesso de demanda. O comportamento recente da inflaçao e, principalmente, do déficit nas balanças comercial + serviços nao fatores apontam nessa direçao. Além disso, outras coisas, como, por exemplo, a discrepância entre comercio e industria, tambem vao na mesma direçao.

    Veja bem, a restriçao de oferta nao passa necessariamente pela falta de capacidade, mas pode ser uma questao de baixa competitividade. Esse é o ponto fundamental! Como lidar com isso?

    Abs
    Gustavo

  6. Alexandre de A. F. Costa disse:

    O que eu nunca vou entender é pessoas que viveram o neoliberalismo do presidente FHC e não entenderam ainda que essa é a receita do fracasso. Excelente artigo, Laura Carvalho. Eu penso igual a você mas não conseguiria me expressar de maneira tão cristalina.

  7. Gilberto Borça Jr. disse:

    É incrível como o argumento do “ajuste fiscal expansionista” consegue ainda fazer eco, mesmo com o exemplo dos último 5 anos na Zona do Euro. Parabéns pelo artigo, Laura.

  8. Freitas Jr disse:

    Prezada Laura!

    Apesar de bem didático (o que falta a muitos professores hoje) a questão central, a meu ver, ficou sem resposta:

    1) Os Investimentos seguem a onda do crescimento da demanda (ou sua expectativa)? Ou a demanda sobre/desce ao sabor dos investimentos?

    2) Há razão para se esperar diminuição da demanda por causa da inflação? Afinal a meta inflacionária não está sendo alcançada?

    3) A demanda está em queda?

    4) Plena capacidade não é motivo para novos investimentos com demanda em alta?

    5) Ou será a razão do choque de oferta as expectativas de ganhos financeiros com a pressão que se faz sobre a taxa de juros?

Comentários