Uma virada política à esquerda está sendo construída e é factível que se viabilize em 2018.
" />

Brasil Debate

Brasil Debate

Marcus Ianoni

É cientista político, professor do Departamento de Ciência Política da Universidade Federal Fluminense (UFF), realizou estágio de pós-doutorado na Universidade de Oxford e estuda as relações entre Política e Economia

 
Marcus Ianoni

A estrela sobe

O cenário que se esboça é a repetição da disputa entre esquerda e direita que ocorre desde as eleições de 1994: de um lado o PT e seus aliados, com um programa de governo inovador e, de outro, PSDB e Centrão

02/08/2018

A estratégia do PT de manter a candidatura de Lula, mesmo ele estando preso, está se revelando frutífera do ponto de vista eleitoral. Em primeiro lugar, a campanha de denúncia e de luta contra o processo judicial arbitrário, sem provas, altamente politizado, enfim, que o levou à prisão é uma posição de resistência política fundamental contra a deterioração do Estado Democrático de Direito associada ao golpe contra a presidente Dilma Rousseff, em 2016. Em segundo lugar, a criminalização do PT e a exclusão política da candidatura de Lula são as principais motivações da marcha à direita em curso no país, de modo que o PT apostou, e considero que o fez corretamente, na exploração de todas as possibilidades políticas e institucionais de resistência possíveis, usando o próprio processo eleitoral como um caminho singularmente fértil para maximizar a luta contra o arbítrio e, assim, fortalecer seu cacife para o pleito presidencial de 2018.

Na última pesquisa Vox Populi/CUT, Lula tem 41% das intenções de voto. O segundo colocado, Jair Bolsonaro (PSL) aparece bem distante, com apenas 12%. Como disse um humorista recentemente, o candidato preso está com a vida bem mais fácil que os candidatos livres, que suam a camisa percorrendo o Brasil, mas não chegam a ameaçar o petista. Nesse cenário, Lula venceria já no primeiro turno.

Mas há também duas novidades importantes no campo progressista. A primeira é que, confirmada a cassação do registro da candidatura de Lula ou mesmo, em caso mais grave ainda, se esse próprio registro for casuisticamente negado pelo TSE, as tendências apontam para o aumento de sua capacidade de transferência de votos para outro candidato, mecanismo que já ocorreu nas eleições de 2010, 2012 e 2014: a eleição e reeleição de Dilma Rousseff e a eleição de Fernando Haddad.

Há cerca de um mês, uma pesquisa eleitoral feita por encomenda da XP Investimentos constatou que se a candidatura de Haddad, por exemplo, for apresentada isoladamente, reúne 3% das preferências, mas esse número sobe para 11% se o candidato for vinculado a Lula. Há dez dias, a Vox Populi mensurou que a capacidade de transferência de Lula, nesse momento, varia entre um mínimo de 20% até um teto de 32%. Esse quadro colocaria o eventual Plano B do PT no segundo-turno. Dois terços dos eleitores de Lula tendem a votar em quem ele indicar.

A outra novidade importante que impacta no campo progressista é o revés enfrentado, no momento, pela candidatura de Ciro Gomes em função do Centrão (PP, PR, DEM, PRB e SD) ter recuado em apoiá-lo e estar negociando o apoio a Geraldo Alckmin. Embora hoje, como nunca antes na história nacional, tudo que era sólido se desmancha no ar e, por isso, a previsibilidade está um tanto quanto pressionada pela volatilidade, não é pouca coisa essa reação da direita neoliberal mais orgânica, capitaneada pelo PSDB, para fazer frente ao Bolsonaro. Desenha-se uma forte candidatura alternativa de direita à extrema-direita, inclusive pelo tempo de TV que pode arregimentar. A maré conservadora é forte, mas, como seu programa tem pouco a oferecer à Nação, essa força pode ser um mero castelo de areia.

Por outro lado, a esquerda enraizada na base popular e competitiva para governar não está sangrando, pelo contrário, a estrela petista sobe. O programa de governo da candidatura Lula, coordenado por Fernando Haddad, começou a ser divulgado. Contém propostas inovadoras, que, por um lado, motivam a militância, por outro lado, representam alternativas ao caos econômico e político nacional: a revogação da emenda constitucional do teto de gastos e da reforma trabalhista, o aumento da oferta de crédito, inclusive por meio da redução do spread bancário pela via da política tributária e o incentivo à democracia direta prevista na Constituição de 1988, com os plebiscitos e referendos.

Enfim, prevalecendo o cenário desenhado nesse artigo, se repetirá a estrutural disputa entre esquerda e direita que ocorre desde as eleições de 1994: a efetiva competição será entre, por um lado, PT e seus aliados e, por outro lado, PSDB e o Centrão. Uma virada política à esquerda está sendo construída e se revelando factível de viabilizar-se em 2018. Mas toda a perseverança e a inteligência política são poucas para garantir essa vitória que poderá tirar o país do fundo do poço e  resgatar a democracia maltratada pela ofensiva conservadora. Um pacto de não agressão e uma ponte de diálogo entre os progressistas precisam ser cultivados. Boas ideias para a economia também são fundamentais.

Clique para contribuir!

2 respostas to “A estrela sobe”

  1. Antonio disse:

    Rogério, você renega todas as conquistas que o Brasil conseguiu com Lula. Inflação baixa, crescimento da economia, reservas cambiais perto de 400 bilhões de dólares, desemprego baixíssimo, investimentos na educação, criação e construção de universidades (aliás o seu presidente construiu alguma universidade? nenhuma), etc, etc. Você sabe muito bem (espero que sim) quem sabotou e quem foram os agentes arquitetos do golpe que destituiu uma presidente legalmente eleita e honesta e que estão acabando com o país. Nossos filhos tinham emprego e um futuro e agora? Se você é adepto do Temer, Aécio, Cunha, Geddel, Agripino e de toda esta quadrilha e membros do judiciário é problema seu. Mas não diminua o que de bom outros fizeram pelo país e por nossos filhos.

  2. ROBÉRIO disse:

    Nunca li um artigo mais partidário do que esse, a começar pelo título” A estrela sobe”, só pode ser piada. Outro ponto é afirmar que o Pt vem com um Plano de governo inovador, como já dizia o papa capim ” É muita melodia”, o autor desse artigo deve ter ganho alguma coisa ou promessa de um cargo público para poder escrever isso, pois sabemos que quem afundou o Brasil nessa crise econômica foi o próprio Pt com os seus Planos Políticos (liberação de Crédito de forma desenfreada, gastos públicos exorbitantes) e a corrupção com números nunca antes visto.
    Meu caro se você quer afundar ainda mais o Brasil continue fazendo esse tipo de propaganda mentirosa sobre o Pt, mas saiba que existe pessoas honestas e com discernimento que irão lutar contra essas ideologias implantadas pelo PT.

Comentários